2 de jul de 2014

(VÍDEO LEGENDADO EM PORTUGUÊS) O Parque Marinho SeaWorld foi votado como uma das empresas mais odiadas dos Estados Unidos, em recente pesquisa feita entre americanos (vide matéria site ANDA), prova disso é que celebridades todos os dias twittam em seus perfis (vide) pedindo as pessoas que assistam o documentário “Blackfish’ e que boicotem e não mais frequentem os parques marinhos que escravizam os animais meramente por interesses financeiros, que além de maltratarem os animais, também colocam em perigo a vida dos funcionários e dos frequentadores do local.
boycott-seaworld

Em 29.06.14, 48 pessoas ficaram presas durante 4 horas na atração SkyTower a de 67 metros de altura. A falta de energia também pode ter matado animais que dependem do sistema para refrigerar e reabastecer os tanques de água, onde golfinhos, orcas, leões-marinhos e outros animais são mantidos escravizados. 

Enquanto a imprensa internacional divulga o fato (click para ver), mídias brasileiras propositalmente ocultam o nome do SeaWorld, (click para ler), para assim continuar driblando brasileiros incultos ao parque macabro.

Muitas pessoas, evitaram de assistir BlackFish, com medo de cenas que só existem no próprio inconsciente destas. O filme é realmente um documentário onde diversos treinadores que trabalham para o SeaWorld contam porque deixaram de trabalhar lá e se engajaram no fechamento desse tipo de parque, e na libertação dos animais escravizados, assista.


Ewan McGregor, Paris Hilton, Cher, Hugh Hefner, Zack Braff, Miley Cyrus, são somente alguns dos famosos que depois de assistirem o documentário, twittaram em seus perfis, para que as pessoas não frequentem os tanques de tortura de animais marinhos.

No ano passado, um filhote de baleia ficou 30 minutos se debatendo fora d’água, após cair para fora do aquário, além disso, uma das críticas a existência dos aquários é que o animal é privado de sua liberdade natural para se sujeitar a um ambiente controlado e forçado a viver com indivíduos até então desconhecidos. 
É comum o stress gerado pelo aprisionamento, ocasionar conflito entre os próprios animais.

Neste dia, o visitante Carlo De Leonibus que veio a fazer o registro em foto e vídeo do ocorrido, tinha levado sua família, esposa e filha, para comemorar o 11º aniversário de sua filha no parque e inspirá-la a ser uma treinadora de golfinhos quando crescer.
No entanto, devido ao que presenciou, pretende nunca mais voltar a financiar animais em cativeiro e ainda acrescenta que sua filha não quer mais trabalhar como treinadora, ela pretende seguir algo como biologia marinha, trabalhar com golfinhos fora do cativeiro, nada de animais fora de seu habitat natural, esse é o seu novo objetivo para o futuro.

Carlo comenta que se sentiu surpreso com o descaso dos treinadores e funcionários da SeaWorld. Ao presenciar o animal fora da piscina por cerca de 10 minutos, mesmo com toda plateia aclamando para que fizessem algo; impaciente, ele resolveu que ia pessoalmente comunicar um dos funcionários da Sea World e obteve a fria resposta: “Eles ensinam o animal a fazer isso mesmo e depois ele volta para a água”.

Ele ainda afirma que os funcionários não estavam nem olhando para o animal e davam risada para a preocupação da plateia, eles agiam como se isso acontecesse o tempo todo.
“A multidão estava extremamente furiosa. As pessoas estavam batendo os pés. Todo mundo queria que o golfinho que agonizava fosse ajudado”.

#Blackfish #BoycottSeaWorld



2 de jul de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário