16 de out de 2014

O cão que pertence a uma enfermeira Dallas, e que contraiu Ebola de um paciente sob seus cuidados está bem e vai continuar a ser monitorizado pelas próximas semanas para todos os sintomas da doença, disse o Centro de Serviços Animais de Dallas. Vídeo e fotos foram divulgadas mostrando que Bentley está sendo cuidado e não está sendo utilizado como cobaia.

bentley

"Nós fornecemos alguns tipo de enriquecimento de atividades para ele, como brinquedos e guloseimas", disse Jody Jones, diretor do centro. O cachorro está sendo cuidado em uma antiga base da Marinha dos EUA, no sudoeste Dallas. Todos os seus dejetos estão sendo colocados em barris de contenção de lixo tóxico para uma eliminação segura.

"Ficamos muito felizes em encontrar um ambiente familiar, para o cão ao invés de uma instalação de isolamento padrão", disse Jones. "Bentley está sendo mantido dentro da gaiola durante a sua estadia, pois ele tem que ser confinado - porque esta é uma situação de saúde pública -, mas estamos tentando fazê-lo o mais confortável possível para ele."

"O cão é muito importante para a enfermeira, uma heroína que ajuda a cuidar da saúde de outros, e nós vamos fazer tudo que pudermos para ajudá-la e ao cão", disse o Prefeito de Dallas em uma entrevista. "Acredito que o pet não pegou nada", disse ele.

"Há uma grande preocupação sobre como proteger e tratar bem deste cão, e ao mesmo tempo proteger as pessoas".

A enfermeira Pham que está internada com ebola, ligou para o Centro de Serviços Animais de Dallas, depois da divulgação do vídeo, para agradecer o abrigo por cuidar de Bentley, disseram as autoridades. Ela disse que, sabendo que ele está seguro lhe dá paz de espírito. Bentley será monitorado pelo menos até 01 de novembro, 21 dias a partir do momento do diagnóstico de Pham.

O centro também está coletando doações para o cão; pedindo brinquedos, toalhas de papel e "tapetes para xixi" depois que o animal foi colocado em quarentena pela cidade.

O centro também twittou uma lista de desejos Amazon.com, incluindo fontes que poderiam ser utilizadas para a Bentley. Doações não são necessários para o cuidado da Bentley será usado para outros animais no abrigo, disse um funcionário do centro de Serviços Animais atingido por telefone.

"Se você gostaria de ajudar a cuidar de Bentley, cão de estimação de Nina Pham durante sua quarentena, por favor, considere fazer uma doação toalhas de papel, almofadas xixi, e ossinhos", disse o centro em seu Twitter. "Bentley está em seu novo lar temporário" . "Ele está abanando o rabo e comeu seu jantar!"

Em 2005 o CDC que estudou o Ebola em cães africanos determinou que a espécie pode apanhar o vírus, geralmente a partir de pequenos animais mortos que os animais tinham escavado próximo de aldeias, mas parecem ser assintomático. Não se sabe se os cães poderiam lançar o vírus em seus fluidos corporais sem sinais da doença.

Suínos infectados podem transmitir eficientemente as mesmas espécies de vírus Ebola em macacos em ambientes agrícolas semelhantes, os pesquisadores do Centro Nacional do Canadá para a doença de animal estranho encontrado após a realização de um experimento.

Eles também encontraram razões para suspeitar de que a transmissão no ar pode contribuir para a disseminação do vírus ", especificamente a partir de suínos para os primatas, e pode precisar de ser considerado na avaliação da transmissão de animais para humanos em geral", disseram os pesquisadores em um estudo publicado em relatórios científicos em 2012.

O vírus Ebola chega aos seres humanos de animais infectados, incluindo chimpanzés, gorilas e morcegos.

Enquanto os cães podem ser infectados com o vírus Ebola, eles não têm sido conhecidos por apresentar sintomas. Excálibur, o cão de propriedade de um auxiliar de enfermagem espanhola infectados com o Ebola, foi sacrificado na semana passada.

Javier Limón, pai humano de Excálibur, pensa em tomar medidas legais contra as autoridades de Madri. A mãe humana, que ainda está em estado grave
mas estável, ainda não sabe que ‘Excálibur’ morreu.

Sacrifício do animal gerou comoção nas redes sociais e protestos nas cidades da Espanha
Recentemente, a população espanhola se revoltou com as autoridades da capital, Madri, após cometerem eutanásia em um cachorro que pertencia a uma assistente de enfermaria, infectada com ebola. As autoridades estavam preocupadas de que o animal poderia estar abrigando o vírus.

"Infelizmente não houve outra alternativa", disse o o conselheiro de Saúde da comunidade autônoma de Madri, Javier Rodríguez. Após a divulgação da notícia que o animal seria sacrificado, um grupo de pessoas se reuniu para protestar e tentar impedir a morte do cachorro.

Excálibur era animal de estimação da assistente de enfermagem Teresa Romero, que foi a primeira vítima de contágio do vírus do ebola fora da África. O marido da espanhola, Javier Limón, revelou que se negou a dar autorização para o sacrifício. Mesmo assim, uma caminhonete retirou o cachorro do edifício onde mora o casal.

O último latido do cão Excálibur não vai calar o Ebola

Chefe da equipe que matou cão Excálibur pede demissão

De início, a Universidade Complutense de Madri deu a sua aprovação para que o cão Excálibur, da enfermeira espanhola infectada com ebola, Teresa Romero, fosse sacrificado em casa e levado para as suas instalações na Faculdade de Veterinária da Universidade Complutense. Mas voltou atrás, uma decisão que o diretor de operação da equipe que entrou na casa e matou o animal, Lucas Domínguez, não entende. Domínguez então pediu demissão da direção do Centro de Vigilância em Saúde (Visavet) nesta terça-feira.

O reitor da Universidade reconhece que em um primeiro momento aceitaram acolher o animal morto nas instalações do Visavet para que fosse cremado, ao contrário dos Estados Unidos, onde há um protocolo para manter animais de estimação vivos. Mas ele diz que mudou de opinião depois de ouvir o conselho do Comitê de Segurança e Saúde Ocupacional desencorajando o “tratamento do cadáver”.

Assim, segundo relato da Complutense, foi decidido revogar a decisão “para preservar a segurança e saúde dos trabalhadores do centro, da Faculdade de Veterinária e dos alunos”.

O centro não se considerava capaz de receber o cachorro vivo, mas insistiu em seu site que ele próprio contava “com instalações adequadas para o tratamento e inertização em condições de biossegurança”. Finalmente, a urna com o cadáver foi protegida pelos serviços de segurança diante dos gritos dos ativistas que organizaram uma vigília de 24 horas para tentar salvar Excálibur.

Domínguez disse que ninguém explicou os motivos da revogação e está convencido de que “certamente teria sido mais seguro levá-lo para o laboratório”. O professor de Saúde Animal não quer fazer declarações. Será “um momento de reflexão”. O importante, segundo o ex-diretor, “é que a menina está curada e que as autoridades têm capacidade de responder a esta ou outras doenças, porque isso vai acontecer mais vezes”.

Fontes: USAToday, Bloomberg,

16 de out de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário