16 de jan de 2015

Pesquisadores da Nestlé Purina Petcare, estão realizando alguns dos primeiros estudos sobre a forma como os estímulos externos podem gerar emoções alegres em cães. E esta é uma das primeiras vezes que a termografia está sendo usado para medir as respostas positivas em animais de estimação.

pesquisa_nestle_animais

Enquanto evidências científicas demonstram que os animais de estimação podem ajudar a prevenir doenças e melhorar o humor de seus donos, um grupo de cientistas da Nestlé partiu em busca de respostas para a questão: “Os donos estão fazendo os seus pets felizes?”.

Quando os animais sofrem uma mudança de estado emocional, o fluxo de sangue em regiões como olhos, ouvidos e para as almofadas das patas, influenciando também na sua temperatura corporal. O estudo, realizado no centro de pesquisa da marca nos Estados Unidos, utiliza a técnica termográfica, que distingui as variações térmicas nestas localidades e, assim, consegue medir e interpretar oscilações.

A iniciativa se propõe a avançar na análise das reações positivas para estimular comportamentos e soluções que aumentem o bem-estar dos cães e, consequentemente de seus donos. “Os cientistas sabem há anos como identificar estados negativos, como estresse e ansiedade em animais. Entretanto, pouco é conhecido sobre como medir estados positivos, como alegria ou felicidade em cães”, explica Ragen McGowan, cientista coordenadora do estudo.

O trabalho que está sendo desenvolvido por Ragen McGowan e outros cientistas é parte de um programa de pesquisa mais amplo, que está examinando os benefícios do vínculo emocional entre os seres humanos e os animais de estimação.

Em um estudo paralelo, a empresa  enviou um grupo de pessoas para um abrigo de cães nos Estados Unidos e pediram para que elas ficassem dentro de uma sala com alguns cachorros por 15 minutos.

As pessoas e os pets nunca tinham se visto antes, por isso não havia nenhum vínculo entre eles. Os resultados dessa pesquisa, que serão divulgados nos próximos meses, mostram que os cães tiveram um aumento em emoções positivas a partir contato direto com os humanos, mesmo não tendo demonstrado essas emoções na ocasião.

A termografia é apenas um de uma série de técnicas não-invasivas utilizadas pelos pesquisadores da Nestlé Purina, para entender melhor, qual situação tem uma mudança positiva no humor do cão.

"A imagem térmica tem sido amplamente utilizada em estudos de bem-estar animal, para avaliar a inflamação em cavalos de corrida, por exemplo, ou para ver como certas condições afetam os níveis de estresse do gado", continuou ela.

“Os animais nem sempre retratam fisicamente o que está acontecendo internamente. Se deixarmos um cão-guia sozinho em uma sala vazia, ele, aparentemente, vai ficar calmo, pois foi treinado para ficar desse jeito, mas talvez ele esteja realmente estressado, porque não está com o seu dono. Por outro lado, você pode colocar um cão de estimação sozinho no mesmo quarto e ele pode correr agitado de um lado para o outro. Isso não significa que ele está estressado, mas talvez ele esteja apenas se divertindo e explorando o local. Ao identificar os indicadores internos do que está acontecendo emocionalmente em cães, nosso objetivo é aumentar o conhecimento sobre as formas mais benéficas para interagir com eles”, afirma Ragen McGowan, cientista comportamental da Nestlé e coordenadora do estudo.

16 de jan de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário