9 de mar de 2015

Respeitável público o circo continuar a ludibriar vocês! O anúncio da Feld Entertainment a empresa dona do circo Ringling Bros e Barnum & Bailey, de que irá aposentar seus elefantes até 2018, “pensando no melhor para nossa companhia, nossos elefantes e nossos clientes”, não passou de um golpe de marketing para colocar o nome do circo nas manchetes, antes da divulgação dos documentos que comprovam que a empresa sabia que carregava e distribuía  tuberculose por cada cidade em que passava.
Slide2

A tuberculose é um dos mais relevantes problemas de saúde pública no mundo, sendo considerada em sua essência uma “epidemia lenta”, que ressurge nos dias de hoje devido o aumento da exploração animal, se transformando em emergência global.

A tuberculose é uma doença de transmissão respiratória, por meio da inalação de partículas infectantes na forma aerossolisada no meio ambiente, cerca de 5% dos indivíduos em contato podem evoluir para tuberculose ativa em cerca de 2 anos, os outros 95% podem desenvolver a doença anos ou décadas após o primeiro contato, em cerca de 5 a 10% dos casos.

O circo Ringling Bros tentava impedir a divulgação dos registros, de que eles transportaram elefantes doentes para se apresentarem por várias cidades. Os animais sofrem de uma estirpe de tuberculose altamente transmissível para outros elefantes e para os seres humanos, mesmo sem contato direto, como foi reconhecido pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, e que podem se transformar numa pandemia nos próximos anos.

Os principais sintomas da tuberculose nos animais são perda de peso, mastite, emagrecimento, tosse, corrimento nasal, diarreia e debilidade.


A propagação da tuberculose só ocorre em animais cativos nos circos e zoológicos – e a contaminação para o homem, ocorre por via aerógena, e há vários registros desta transmissão em zeladores e trabalhadores desses locais. Como o público não sabe que pode contrair a tuberculose que pode ficar incubada por vários anos, fica difícil de relacionar os casos.
Slide1

Durante anos o Ringling Bros e o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos se recusaram a liberar os registros médicos e documentos que foram mantidos em segredo, e que foram obtidos recentemente pela PETA, e divulgados em um ‘relatório’, que revelaram que desde 1978, cerca de um terço dos elefantes usados ​​pelo circo Ringling Bros, tiveram exames positivos para a doença da tuberculose.

Além das sessões de tortura as quais os elefantes são submetidos nos treinamentos e durante as apresentações, os elefantes com tuberculose sofrem de dor crônica nas articulações, de diminuição do apetite, de cansaço e mal-estar constante. Tem febre, corrimento nasal e secreção purulenta nos orifícios.

No zoológico de Los Angeles/EUA no período de 1997 a 2000 foram diagnosticados M. tuberculosis em dois elefantes-asiáticos. Em Orlando/EUA, foi diagnosticada tuberculose em elefantes-africanos e em vários outros zoos da América do Norte foi observado em elefantes asiáticos e africanos.


Em Agosto de 2011, durante uma inspeção da vigilância sanitária em San Jose, Califórnia, o veterinário relatou que durante os testes sorológicos para tuberculose a elefante Sarah havia apresentado resultado positivo. A elefanta também Sarah sofria de anemia crônica, e tinha uma secreção purulenta que escorria de sua vagina, claro sintoma de tuberculose. 
Slide3

Os Registros também revelaram que o  'Centro de Conservação de Elefantes’ de propriedade do circo está há vários anos sob quarentena imposta pelo estado da Flórida. Em junho de 2014, nove elefantes estavam com tuberculose. Em 2010, pelo menos dezesseis elefantes apresentaram resultados positivos ao exame de tuberculose, e desde então, mais de um terço desses elefantes já morreram.

 Os documentos que durante anos foram mantidos em segredo pelo circo Ringling Bros e pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, comprovam que vários funcionários do circo fizeram tratamento para se curar de tuberculose. Assim além das sessões de tortura as quais os elefantes são submetidos nos treinamentos e durante as apresentações, os elefantes com tuberculose sofrem também de dor crônica nas articulações, de diminuição do apetite, de cansaço e mal-estar constante. Tem febre, corrimento nasal e secreção purulenta nos orifícios.

Os animais de vida livre, que não tenham contato com animais domésticos e nem com os homens, dificilmente contraem  tuberculose.

A tuberculose é geralmente transmitida pela inalação ou ingestão de microbactérias, e de acordo com a rota é determinado o local das lesões. 


Diversos animais utilizados pelos circos, além dos elefantes, adoecem e transmitem tuberculose para outros animais e para os seres humanos, como as girafas, os camelos, primatas, tigres e leões  Em primatas mantidos em zoológicos, a tuberculose é indicada como uma das mais importantes enfermidades que provocam um considerável índice de mortalidade

A tuberculose do Gado tem igualmente a capacidade do espalhamento entre outros herbívoros como os cervos, os carneiros, as cabras, os cavalos, os porcos, os lamas, os tapir, os alces, os rinocerontes,  as lontras, as lebres, etc. Podem igualmente contaminar cães, gatos, doninhas, raposas, texugos, ratos, primatas, toupeiras, guaxinins, chacais, leões, tigres, leopardos, e lince.

Entre os animais domésticos infectados encontram-se,principalmente, gatos, cães e suínos, além dos bovinos. Entre os selvagens destacam-se:macacos, elefantes, girafas, leões, tigres, leopardos, raposas, camelos, lhamas, alpacas,cabras, carneiros, lebres, javalis, búfalos, texugos, antílopes, gazelas, equídeos, cervos,gambás, porcos selvagens, ratos, roedores selvagens, lontras, bisões, esquilos, doninhas,corvos, toupeiras, minks (martas), furões e focas, e todos aqueles retirados da natureza que permanecem cativos, explorados pelos circos, pelos zoológicos e outros parques de animais.


9 de mar de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário