28 de jan de 2014

Ativistas pediram ao Papa para parar de libertar indefesas pombas como um símbolo de paz, pois elas inevitavelmente acabam por serem presas fáceis de aves selvagens.A ENPA ONG Italiana, enviou carta aberta ao pontífice e lançou a petição.

A ENPA disse em uma carta aberta que porque eles são criados em cativeiro isto é como "condená-las à morte certa '. O grupo apelou ao papa Francisco para acabar com a prática de liberar as pombas de uma janela com vista do Vaticano na Praça de São Pedro, um dia depois que duas pombas outrora símbolos de paz foram atacados por uma gaivota e corvo, enquanto uma multidão, incluindo milhares de crianças assistiram tudo.

peticao-papa-pombas

ASSINE A PETIÇÃO: Papa Francisco Não Solte Mais Pombas e Não Utilize da Vida Animal para Tradições Ultrapassadas

O que diz a petição

Soltar animais que nascem em cativeiro é equivalente a condená-los à morte. Não sendo animais selvagens, eles não são capazes de reconhecer os predadores como tal e, portanto, são incapazes de escapar de qualquer perigo. Isso são exemplares em suas vidas têm conhecido apenas a gaiola não tem experiência do mundo "de fora", por isso mesmo se eles tiveram a sorte de escapar de predadores, eles têm imensa dificuldade em reconhecer os perigos da cidade, como carros. Estas pombas, então, são exclusivamente de reprodução, eles não podem sequer usar camuflagem: sua cor branca, muito atraente na natureza, é precisamente devido ao fato de que não se trata de animais selvagens.

Sabemos que o Papa disse que ele era sensível à proteção do meio ambiente e os seres que compartilham conosco, e que ele está planejando uma encíclica dedicada precisamente à criação e defesa da natureza. Uma encíclica em que pedimos com todo meu coração que Sua Santidade chama todos os crentes a considerar os animais como seres sencientes que partilham com os seres humanos a dor, o medo, a necessidade, em primeiro lugar a ser retirados do crueldade e abuso de poder sempre perpetrados contra os fracos, humanos ou não.

Fonte: ENPA

28 de jan de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário