27 de out de 2014

(Vídeo) O Pangolim, um mamífero que vive em zonas tropicais da Ásia e da África, está em risco de desaparecer.

A expectativa de vida do Pangolim é de 20 anos, e sua dieta é insetívora. Além de seus predadores naturais como os Leopardos, e as hienas, está agora ameaçado pelos seres humanos pela caça indiscriminada. Utilizado como especialidade gastronômica pelas populações das zonas onde habita, e pelo  comércio ilegal que está florescendo como uma comida sofisticada.

Pangolim o Mamífero mais Ilegalmente Comercializado no Mundo

Embora o comércio de todos os pangolins asiáticos seja proibida nos termos da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Selvagens, e comer pangolim é listado como um crime punível com 10 ou mais anos de prisão na China, o mercado negro tem crescido

Em Junho de 2013 as autoridades do Nepal prenderam cinco pessoas, pela morte de pelo menos 45 pangolins. E em Julho deste ano, funcionários da alfândega vietnamitas apreenderam 1,4  toneladas  de escamas pangolim, que supostamente chegaram de Serra Leoa.

O animal tem o corpo coberto de escamas, que são traficadas para serem utilizadas na medicina chinesa, e como afrodisíaco.

"Todas as oito espécies de pangolins agora estão na lista de ameaçadas de extinção, amplamente porque são comercializadas para a China e o Vietnã", destaca a IUCN em um comunicado. Acredita-se que mais de um milhão tenha sido retirado da natureza na última década.

O Pangolim adota uma forma enrolada, semelhante à do Tatu-Bola, quando ameaçado. Pangolins preferem viver em solos arenosos e podem ser encontrados em florestas e savanas que estão próximos a água. O Pangolim pesa entre 2 e 35 quilos, e mede entre 30 e 80 centímetros. A espécie gigante chega a 1,5 metro de comprimento.

"No século XXI, nós realmente não deveríamos estar comendo espécies em extinção - simplesmente não há desculpas para permitir a continuidade deste comércio ilegal", diz Jonathan Baillie, co-presidente do grupo de especialistas em Pangolins da Comissão de Sobrevivência de Espécies da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

 

Pangolins não tem dentes; em vez disso, eles comem pequenas pedras para ajudar a digestão. E alimenta-se, sobretudo, de formigas, que captura dentro dos formigueiros com a sua longa língua viscosa. Apesar de sua semelhança comportamental e anatômica com os tamanduás sul-americanos, o pangolim está, filogeneticamente, mais próximo dos carnívoros. Trata-se de um caso de evolução convergente, ou seja, quando espécies de grupos distintos evoluem para morfologias semelhantes.

Existem 3 espécies dispersas por toda a África. Em algumas áreas, pangolins são sacrificados. Algumas tribos os utilizam para encantos ​​para neutralizar a bruxaria e espíritos malignos. Às vezes são queimados para manter os leões e outros animais selvagens de distância; e em outras áreas, eles são caçados pela carne.

De fato, o animal escamoso se tornou o mamífero mais ilegalmente comercializado, o que levou o IUCN a acelerar esforços de conservação na Ásia e também na África, onde os comerciantes tentam responder à demanda crescente.

"Mais pessoas precisam saber sobre os pangolins e como eles estão à beira da extinção", disse Thomson do  The New York Times . "Estes são os mamíferos mais ilegalmente negociados no mundo, e ainda assim muitas pessoas não sabem que eles existem."

O nome pangolim vem da palavra malaia 'pengguling', que significa algo que se enrola, pois esta é a forma como o animal se defende quando se sente ameaçado.

Anteriormente, os pangolins eram agrupados com os tamanduás, as preguiças e os tatus, mas agora são conhecidos por ter uma relação mais próxima com os carnívoros.

 

27 de out de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário