8 de out de 2015

Os acontecimentos ao redor da vida do urso polar Knut, uma leitura obrigatória para quem quer entender porque a imprensa tende a ficar sempre ao lado dos zoológicos e contra os ambientalistas.

Knut foi o primeiro urso polar a se tornar mundialmente famoso, e em sua primeira aparição ao público reuniu mais de 500 fotógrafos e as principais emissoras de televisão do planeta. Desse dia em diante ele foi fotografado e filmado centenas de vezes por dia, aparecendo em quase todas as TVs,  jornais e sites espalhados pelo mundo .

Durante os quatro anos seguintes até sua morte em março de 2011, a Knutamania  rendeu milhões de dólares e continua rendendo tanto para os zoológicos quanto para a imprensa em geral.

knut_tosta

Mas o fato do porque foi justamente o filhote Knut a ter se tornado o ‘queridinho’ da mídia, e não os raros trigêmeos  de urso polar que haviam nascidos poucos meses?

A popularidade de Knut começou muito antes de seu nascimento, devido a triste história de seus progenitores. Tosca a mãe de Knut nasceu livre na natureza em meados de 1986. Capturada pelas autoridades canadenses em torno de 1 ano de idade, a ursa polar Tosca e mais de uma dezena de outros filhotes foram enviados para a Alemanha Oriental.

No novo lar,  por detrás da cortina de ferro, Tosca e os outros filhotes foram surrados e chicoteados até aprenderem a se comportar no picadeiro. O circo comunista exibia sua superioridade, fazendo com que os ursos polares pulassem pelo fogo, dançassem e andassem em cima de bolas gigantes. Quando o show terminava Tosca era espremida juntamente com os mais de dez ursos polares em um único vagão.

Por onze anos ininterruptos, Tosca e os outros ursos polares conseguiram sobreviver a esse martírio. Somente após a queda do muro de Berlim, com a reunificação da Alemanha, grupos de defesa dos direitos dos animais puderam reivindicar o fim da crueldade e da exploração de alguns dos animais desse circo. E foi assim que em dezembro de 1998, a ursa polar Tosca chegou ao zoológico de Berlim grávida e com a promessa de nesse zoo ela finalmente teria paz.

Tosca foi uma das primeiras fêmeas de urso polar a dar a luz a trigêmeos dentro de um zoológico, mas como seus filhotes morreram logo após o nascimento, o zoo também tratou de matar sua promessa.

Em novembro de 1999, o zoo de Berlim trouxe Lars o macho de urso polar de apenas 6 anos de idade, com o pretexto de que ele faria companhia a ursa que já estava com 14 anos de vida.

Lars estava no auge de seu furor sexual, e de seu nascimento em dezembro de 1992, no zoo de Munique, já havia sido enviado a  três outros zoológicos alemães antes de chegar a Berlim.

E foi assim que depois de uma vida inteira escravizada e surrada, que Tosca ainda tentou de todas as maneiras evitar - ser violentada pelo macho. Tentou em vão, já que os machos medem e pesam mais que o dobro do que as fêmeas.

Somente depois de 7 anos de sucessivas cópulas, Tosca enfim deu a luz em 5 de dezembro de 2006 aos gêmeos. E depois de 20 anos de ter sua alma roubada e massacrada, sem ter qualquer instinto de sobrevivência ou materno, Tosca não sabia o que fazer com aquelas duas criaturinhas tão pequenas e frágeis.

Enquanto um dos gêmeos falecia quatro dias depois de ter nascido, o outro filhote entre a vida e a morte, foi colocado em numa incubadora onde permaneceu por 44 dias. Tendo superado a fase crítica, passou a ser chamado de Knut, e era alimentado doze vezes ao dia por mãos humanas.

Em mais de 30 anos, Knut foi o primeiro urso polar a nascer e a sobreviver no Jardim Zoológico de Berlim.

Mas não foi nem a triste história de sua mãe, e nem a morte de seu irmão gêmeo, que trouxeram a fama para Knut. Foi o anúncio de que um filhote de outra espécie seria eutanasiado depois de ter sido rejeitado pela mãe, que fez com que a imprensa manipulasse os fatos a fim de obter mais leitores e que culminou na adoração ao ursinho Knut.

Um zoológico na cidade alemã de Leipzig, decidiu eutanasiar um recém-nascido de bicho-preguiça após sua mãe rejeitá-lo. Frank Albrecht, um ativista pelos direitos dos animais entrou com uma ação tentando impedir que o zoo sacrificasse o filhote. Ele perdeu o caso, quando o tribunal alemão aceitou o argumento do zoo de que essa não era uma espécie apropriada para ser amamentada por mãos humanos,  e que isso seria contra as leis da naturezas . O filhote de bicho-preguiça acabou sendo morto com uma injeção letal.

Quando o zoo de Berlim divulgou a história de que a ursa polar Tosca havia rejeitado os gêmeos, sendo que em verdade o filhote é que havia sido retirado da mãe, o tabloide alemão BILD, entrevistou o ativista, que lançou a seguinte pergunta;

- “E agora vocês também vão ter que matar o filhote de urso polar?”

No entanto ao divulgar a matéria o tabloide subtraiu tudo o que acontecerá no tribunal e mudou a pergunta do ativista colocando-a como uma afirmação. A manchete do BILD viralizou e o restante da imprensa seguiu na onda afirmando que ativistas radicais dos direitos dos animais queriam que Knut fosse eutanasiado! 

Em sua primeira saída em público foi no dia 23 de março de 2007, a imprensa tanto alemã quanto a internacional estavam a frente do recinto para mostrar ao mundo que o ursinho polar não merecia morrer, e que ele estava sendo bem cuidado, e que ativistas extremistas não queriam que ele fosse cuidado por humanos e queriam que ele fosse morto.

Um mês depois para aumentar as manchetes, o zoo de Berlim disse ter recebido uma mensagem escrita a mão por fax, dizendo que o Knut seria assassinado no mesmo dia. O dia se passou e nada aconteceu, e nem a polícia investigou de onde essa mensagem teria sido enviada.

As imagens de um pequeno urso polar,  cuidada por um pai adotivo humano, deram a volta ao mundo conquistando milhares de seguidores da vida de Knut. 

Mas o que nenhum jornal ou emissora divulgou era que Tosca nunca havia rejeitado Knut. Todas as manhãs depois de dormir ao lado de seu pai humano, Knut acompanhava o tratador nos serviços que ele executava dentro do zoológico, quando o cheiro de Knut alcança o recinto de Tosca, a ursa polar entrava em desespero e tentava com seu olfato localizar a direção de sua cria.

Quando Knut era colocado em frente ao vidro, Tosca e Lars nadavam freneticamente até seu encontro, e seus olhares eram exatamente iguais a quaisquer pais humanos que se emocionam ao verem que o filho que parecia perdido está vivo. Ao assistir a cena no vídeo abaixo, tente segurar as lágrimas ao ver o encontro dos três que foram impedidos de viver como uma família. E não deixe de notar a diferença de peso de quanto Tosca estava no circo e de quando ela passou a viver no zoo de Berlim.

As pessoas vinham de todas as partes da Europa para conhecer Knut, e a bilheteria do zoo de Berlim passou a faturar tantos milhões de dólares que acabou registrando a marca “Knut”,  que era ‘cedida’ por valores nunca revelados  para estampar brinquedos, bolsas, canetas, e  tudo o mais que pudesse ser consumido pelos fãs de Knut.

O tratador Thomas Dörflein de 44 anos, que ficou conhecido como o pai adotivo de Knut, e  cuidou do pequeno órfão, dedicando-lhe todo o tempo que um bebé necessita, de dia e de noite, dormindo ao seu lado num colchão improvisado, sofreu um ataque cardíaco em Setembro de 2008, e faleceu.

Novamente Knut se tornou um órfão, e foi retirado do lindo gramado onde vivia, e levado para o recinto estéril do zoo, onde estavam Tosca sua mãe, e outras duas ursas mais velhas Nancy e Katyuscha, com quem supostamente era previsto que ele deveria quando tivesse idade a ter relações sexuais e a produzir mais filhotes tão rentáveis quanto ele.  E impressiona o qual mal o zoológico cuidava de seu tesouro. Tanto Knut quanto Tosca e as outras duas ursas passavam fome, muita fome. Isso porque o zoológico vendia ao público alimentos para que as pessoas jogassem comida no recinto. Sem nenhum controle de quanto era vendido, e de quanto cada um dos quatro ursos polares comia, o zoo deixava de alimentar os animais durante dias seguidos.

O caso acabou parando nos tribunais alemães, quando o Tierpark Neumünster reivindicou sua parte nos lucros. Lars o urso polar, pai de Knut, havia sido emprestado por eles ao zoo de Berlin. E como lá os doadores de esperma são remunerados, também o "contrato de empréstimo" feito em 1999, tinha clausulas onde foi acordado que os primeiros descendentes de Lars, e e todos os outros descendentes em número ímpar, eram também propriedade deles.

E são os termos comuns dos contratos entre os jardim zoológicos, caso você não saiba. Mas que só chegou aos jornais por causa da briga nos tribunais. E uma compensação em dinheiro pela compra desses descendentes não costuma ser mencionado nesses contratos. Mas como Knut, havia se tornado uma mina de ouro, e sendo ele o primeiro descendente que permaneceu vivo, o Tierpark reivindicou a sua parte e levou.

O Tierpark entrou com processo exigindo que o zoo de Berlim apresentasse todo o lucro que Knut gerou com venda de produtos e visitas, o que foi negado, segundo os jornais da Alemanha.

Em Julho de 2009, o zoo de Berlim concordou em pagar 430 mil euros (cerca de 1,2 milhão de reais na época) para que o urso polar Knut fosse definitivamente sua propriedade.

Seu pai Lars foi então enviado para outro zoo para que com uma outra fêmea continuasse a fabricar mais Knuts.

Com a morte do tratador e já com o aspecto e tamanho de um urso polar, Knut foi colocado no recinto onde viviam os outros ursos polares, com a Knutmania instalada, o zoo não necessitava mais mima-lo.

As três ursas polares que lá viviam, incluindo sua mãe Tosca, que depois de tantos anos não reconhecia mais o macho como sua cria - apesar de idosas eram bem maiores que Knut e não pretendiam ser novamente violentadas e passaram a hostilizar e agredir o ursinho. E em outubro de 2010, Knut foi novamente transferido de recinto e passou a viver sozinho, tendo como companhia somente o público que o visitava.

Tanto o público como jornalistas chegaram a relatar que ao se afastarem do recinto de Knut, que ouviam os gritos do animal e que quando se aproximavam para ver o que tinha acontecido que os gritos cessavam e que ao se afastarem novamente os gritos recomeçavam. Knut não queria ficar sozinho, ele havia se acostumado a ter sempre uma câmera apontada para ele.

Em dezembro de 2008, um homem pulou a grade e invadiu o recinto de Knut, os funcionários distraíram o animal com carne e retiraram o sujeito de 37 anos que alegou que pulou porque percebeu que o urso estava triste deprimido e que resolveu fazer companhia ao animal, e que acabou tendo sorte, já que Knut não lhe fez mal algum.

No dia 19 de março de 2011,  Knut levantou-se da pedra onde tomava sol e começou a andar em círculos, e depois acabou caindo na água. O público em pânico começou a gritar e chamar pelos funcionários do zoo.

Seu corpo começou a boiar sem movimento, e foi assim que todos perceberam que ele estava morto.

A primeira autópsia feita em Knut sugeriu que ele tinha anomalias cerebrais, e que a morte por afogamento ocorreu depois de um ataque epiléptico, e que ele provavelmente havia herdado a doença de seu pai, o urso polar Lars, que também era epiléptico.

Em 2015 um neurologista do Centro Alemão para Doenças Neurodegenerativas, que trata pacientes humanos diagnosticados com encefalite, reconheceu algumas semelhanças nos relatórios pós-morte de Knut, e nos testes posteriores a sua morte, que estavam em amostras preservadas do cérebro do urso confirmando que Knut morrera de encefalite NMDA.

"A doença que agora identificamos como a causa da morte é uma inflamação autoimune do cérebro", afirmou o cientista. "Anticorpos que normalmente nos defendem contra vírus ou bactérias podem - obviamente sob certas circunstâncias - se voltar contra seu próprio corpo e atacar células nervosas. Na encefalite autoimune mais comum, esses anticorpos se vinculam a um receptor de glutamato no cérebro chamado NMDA e causa convulsões, comprometimento cognitivo, psicose ou coma."

A tal nomenclatura NMDA, nada mais é do uma sigla para que o público não soubesse que doença advém do efeito da poluição nos cérebros dos ursos polares.

Os poluentes orgânicos e industriais agem como um tipo de hormônio e atrapalham o desenvolvimento dos ursos polares. O artigo científico foi publicado na revista "Environmental Science & Technology" em 2007,  e foi realizado pelo veterinário e toxicólogo Christian Sonne, do Instituto Nacional de Pesquisa Ambiental da Dinamarca.

O estudo apontou que diversos poluentes atmosféricos são os prováveis causadores da diminuição do tamanho do animal em comparação aos de décadas atrás, tanto em sua altura, como também no tamanho de seus ossos e de outros órgãos. Os pesquisadores verificaram que o báculo (nome dado ao osso do pênis), tornavam menor tanto o báculo, quanto os testículos dos animais, e que mesmo acontecia também com os ovários das fêmeas. A poluição das grandes cidades explicaria porque a reprodução em cativeiro diminui a cada ano, uma vez que os zoos estão em sua maioria localizados no centro de grandes capitais altamente poluídas.

Da mesma forma que os ursos polares apresentam diferenças significativas em relação aos humanos ou a outras espécies,  na forma como seu corpo metaboliza a gordura e a transporta no sangue, removendo o colesterol da corrente sanguínea e levando para as células, motivo pelo qual o urso polar consegue administrar quantidades muito elevadas de açúcar e triglicérides no sangue, o que diminui o risco de doenças cardíacas, a poluição atmosférica das grandes cidades acaba matando os ursos polares cativos geração após geração, o que faz com que toda a propaganda dos zoológicos que diz preservar a espécie desapareça.

Nos últimos 25 anos, cerca de 60 bebês de ursos polares foram mão-alimentados nos jardins zoológicos europeus. No entanto apenas a metade deles sobreviveu a fase adulta.

Dizer que os ursos polares mantidos em cativeiro tornam-se embaixadores do Ártico e símbolos das mudanças climática, sendo fotografados ou filmados ou vistos por 2 ou 3 minutos – pode despertar que tipo de atitude ou mudança de hábitos nas pessoas ou nas autoridades.

A diminuição do Ártico é real e se hoje todas as industrias do mundo parassem indefinidamente de funcionar, mesmo assim as estimativas de tempo que seriam necessários para recompor o gelo não são divulgadas, porque levaria em torno de algumas centenas de anos. 

E se você já ouviu dizer que os ursos polares estão em extinção SAIBA que as ‘AUTORIDADES’ mundiais não PENSAM ASSIM

De acordo com a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), os ursos polares são considerados “vulneráveis” desde 2006.

Mas de acordo com a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies Ameaçadas – CITES, o urso polar é listado no Anexo II - que significa que - “NÃO ESTÁ EM PERIGO DE EXTINÇÃO”.

E se você também já ouviu falar que existe uma estimativa de que há somente de 20.000 a 25.000 ursos polares, saiba que isso também é mais uma mentira. Nos últimos 10 anos, somente foram avistados 8.606 ursos polares na região do circulo polar ártico.

O resumo da situação da população de ursos polares no estado selvagem, que foi discutido no final de 2014, pelo Grupo de Especialistas em Ursos Polares – PBSG, e que foi considerada credível e válida pelo grupo, parece não ter sido lida ou entendida pela imprensa e pelas autoridades mundiais.

Enquanto os zoológicos e aquários apregoam que os ursos polares vivem em torno de 25 anos, a Sociedade Geográfica Russa, fundada em 1895, em seu relatório sobre os ursos polares estima que o tempo de vida do urso polar na natureza é de até 40 anos.

O fato do urso polar não ser considerado em perigo de extinção pela CITES, permite que o Canadá emita em torno de 800 a 1000 licenças por ano para a matança de ursos polares. Eles podem ser mortos, caçados, e terem suas patas e pele vendidas, ou então podem ter suas cabeças transformadas em troféus, ou terem seus corpos transformados em tapetes.

A licença canadense é dada  a população aborígene Inuit que alega sobreviver da caça ao urso Polar, no entanto a maioria dos Inuits vende a licença que recebe do governo canadense para os caçadores estrangeiros. As peles, dentes e patas são vendidos em torno de $ 3.700 euros por animal.  E para matar um urso polar, os caçadores chegam a pagar em torno de 25.000 mil euros pela licença dos Inuits.

O pretexto de "preservar as espécies" utilizado como argumento para justificar o cativeiro e a exploração de ursos polares pelos Aquários e Zoológicos é completamente falso e equivocado, mas nenhum jornal ou site publica isso de forma que o público possa entender.

A Rússia e os Estados Unidos se uniram para tentar mudar a situação da espécie ‘ursus maritimus’ para o anexo I da CITES. Ambos queriam travar globalmente as mortes e a caça, mas vários países membros da CITES, sobretudo o Canadá, opuseram-se. Nem a secretaria da CITES, e algumas das grandes organizações, como a Traffic e WWF, apoiaram a iniciativa russo-americana.

A Rússia que também possui populações aborígenes NÃO EMITE LICENÇAS. A caça ao urso polar é terminantemente proibida na Rússia, no entanto uma pele de urso proveniente de caça ilegal é vendida em torno de até US$ 50 mil dólares.

Para apoiar o Canadá a WWF sustentou que "a diminuição do habitat devido ao aquecimento climático, e não o comércio internacional, é a primeira razão do declínio antecipado da população" de ursos polares, e omitiu que a mortandade e a baixa reprodução dos ursos polares na natureza é a fome e não a falta do gelo.

É o Canadá o país que possui a maior população de ursos polares do mundo e o único exportador, o local onde a espécie mais morre de fome. O governo canadense também permite a caça de mais de 2 milhões de foca ao ano. Sem seu principal e único alimento que os ursos polares encontrariam no Canadá, a morte e a extinção da espécie está muito próxima.

Lars, o pai de Knut hoje com 23 anos, passou por três outros zoológicos depois de Berlim, como doador de esperma, ele conseguiu ‘fabricar’ dois filhotes. Em 2012 nasceu o macho Anori, e em 2014 a fêmea Fiete, ambos aclamados como meios-irmãos de Knut.

Tosca, a mãe de Knut foi eutanasiada pelo Zoo de Berlim em Junho de 2015 aos 29 anos de idade. O zoo alegou que ela era muito velha, e explicou "o comportamento de Tosca se deteriorou drasticamente nas últimas semanas. Ela é cega, surda e não pode encontrar seu alimento", escreveu o jardim zoológico em sua página de Facebook após que a decisão de matar a ursa foi tomada. "Ela estava cada vez mais desorientada, perdida e ficando apenas dentro da toca."

Ursula Bottcher a mulher que com seu chicote, treinou e apresentava Tosca no picadeiro, começou sua carreira no circo como faxineira. Durante anos os 20 ursos polares que ela mantinha se revezam no picadeiro, os que morriam eram substituídos por outros. ´Ela apresentava seu show em circos como o Knie, Kronebau, Liana Orfei, Ringling Brothers, indo e vindo da Europa para a América. Seu marido Manfred Chifre e seu ajudante de palco foi atacado por um dos ursos em 1990 e faleceu um mês depois em consequência dos ferimentos.

A primeira vez que ela foi denunciada por maus tratos aos animais em 1999, começou a vender os ursos polares a outros circos e aos zoológicos, mas mantinha alguns para suas apresentações. Quando a lei alemã de proteção aos animais foi estabelecida ela se viu obrigada a se livrar de todos os animais.  Ursula Bottcher esteve várias vezes no zoo de Berlim tentando se aproveitar da fama de Knut, antes de falecer em 2010.

Nem depois de sua morte Knut foi deixado em paz, seu corpo foi empalhado e hoje permanece dentro de uma cúpula de vidro para ostentar as selfies dos insensíveis. 

Somente Katjuscha – a irmã de circo de Tosca hoje com 30 anos de idade, ainda reside no Zoológico de Berlim.

E quanto aos raros trigêmeos, aqueles que nasceram no mesmo ano de Knut, pois saiba que eles desapareceram, tanto do zoológico quando da mídia. Depois da divulgação do nascimento de Knut e da Knutmania nos quatro anos seguintes, não se ouviu falar mais dos três ursos polares, se morreram, se foram transferidos-vendidos para outro zoo. Nem uma palavra, nem uma linha, nada o que é muito comum, já que os zoológicos não devem satisfação de seus atos a ninguém e a nenhum governo. Talvez eles tenham sido considerados excedentes e acabaram mortos e dissecados como a Girafa Marcus.

E se a sua curiosidade fez com que você lesse essa história até aqui, espero que a sua consciência tenha despertado e que você tenha entendido qual a verdadeira finalidade dos zoológicos e aquários em exibir ursos polares, e o porque da imprensa sempre favorecer os zoológicos em detrimento da verdade e do bem estar dos ursos polares e de outros animais.

Mobilize-se para salvar os ursos polares! Mobilize-se pela criação de santuários e não frequente zoológicos ou aquários.

E qualquer semelhança com o que está acontecendo no Brasil NÃO é mera coincidência.

cpi-ursos-polares

8 de out de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário