8 de out de 2014

#SalvemosAExcalibur

Javier L. R., marido de Teresa R. R., a auxiliar de enfermagem infectada com ebola, lançou uma mensagem nas redes sociais para tentar evitar que sacrifiquem seu cachorro Excálibur.

Autoridades querem Matar Cachorro de Espanhola Infectada por

Segundo J. L. R, funcionários do governo local entraram em contato com ele para pedir o seu consentimento e poder sacrificar o animal.

O marido da infectada por ebola fez chegar através de seus amigos uma mensagem para a associação de amigos dos animais, Axla, para obter ajuda.

Entretanto o maior especialista do mundo sobre o vírus, Eric Leroy, argumentou ao Jornal El Pais, que "não devemos matar o cachorro porque ele é muito importante do ponto de vista científico".

O papel dos cães na propagação do Ebola é pouco estudada, e somente o Instituto Desenvolvimento de Pesquisas em Paris em 2005,  afirmou que "estes animais de estimação ‘poderiam’, portanto, tornar-se infectados e excretarem o vírus por um determinado período, tornando-se assim uma potencial fonte de infecção para os seres humanos.

Mobilização nas redes sociais

#SalvemosAExcalibur

Javier LR chama a ajuda de redes sociais para salvar seu cachorro. / PACMA

“Olá, meu nome é Javier L. R., sou o marido de Teresa R. R., a auxiliar infectada pelo ebola ao cuidar voluntariamente de dois pacientes infectados que foram repatriados para a Espanha.

Quero denunciar publicamente que um tal Zarco, que eu acredito ser agente de saúde de Madri, me disse que têm que sacrificar o meu cão, sem mais.

Pede meu consentimento, o qual neguei. Ele disse, então, que pedirá uma ordem judicial para entrar na minha casa à força e sacrificá-lo. Antes de vir ao hospital, deixei vários baldes de água, uma banheira também com água e um saco de ração de 15kg para que ele tivesse comida e água. Também deixei o terraço aberto para que fizesse suas necessidades.

Considero injusto que por um erro deles, queiram solucionar isto por um jeito mais rápido.

Um cachorro não tem por que contagiar uma pessoa e nem o contrário tampouco. Se isso está preocupando tanto ele, acredito que se possam buscar soluções alternativas, como por exemplo colocar o cachorro em quarentena e em observação como foi feito comigo.

Do contrário, devem me sacrificar pelo mesmo motivo. Mas, claro, um cachorro é mais fácil, não é tão importante.”

A responsável por criar a petição no Change.Org, Carmen Sanchez Montañes, explica que acredita não ser injusto somente a enfermeira ter sido infectada "por falta de cuidados necessários", mas que também não concorda com o fato de que possam perder o cachorro "como resultado de uma decisão impensada".

No final do texto, Montañes ressalta que para essa família, Excálibur não é "só" um cachorro: "Se essa mulher vier a morrer, o cachorro que os acompanhou por tantos anos será uma ajuda emocional importante para seu marido".

O cão vai ser sacrificado somente "para evitar riscos".

"Nós não podemos arriscar", resume Felipe Vilas, presidente do Colégio de Veterinários de Madrid. Sua abordagem tem sido decisivo para a decisão de Madrid para a eutanásia do cão da auxiliar de enfermagem infectado pelo Ebola e seu marido.

Vilas explica que existem poucos estudos sobre Ebola e cães, mas que mostram que, em áreas onde houve um surto, um número de animais "não negligenciáveis", apresentado altos níveis de anticorpos. Isso significa que eles tiveram contato com o vírus, diz ele. Ou seja, não foi possível mostrar a transmissão de animais para humanos, mas não se pode descartar que um contato cão não pode excretar o vírus em algum momento, com ou sem desenvolvimento sintomático acrescenta.

Excalibur, o cão agora está sobre a proteção do Partido Animalista PACMA, da Espanha, que fazem vigília a frente do apartamento a fim de proteger o animal, e garantir que ele não seja morto

Javier entregou seu animal de estimação ao presidente da entidade Carlos Rodriguez, um veterinário e apresentador de rádio conhecido muito conhecido na Espanha.

A associação confirmou em um comunicado a imprensa hoje à noite: "O marido de Teresa Romero Javier, cedeu a custódia de seu cão para Carlos Rodriguez através de uma mensagem WhatsApp, enquanto ele está no Hospital Carlos III em Madrid."

A porta-voz dos Mascotes Solidários, Beatriz Ramos disse: "Nós não estamos sugerindo fazer nada que coloque em risco a saúde pública.

"Tudo o que queremos é que as autoridades considerarem a opção de tratar deste animal como um ser humano e coloca-lo em quarentena.

Twitter enviado pelo Partido Animalista PACMA.

Atualização: Juiz autoriza Sacrifício do Cão Excálibur

8 de out de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário