8 de dez de 2014

Após vários anos de críticas contra o Zoo Woodland Park, e o anuncio de que os elefantes não iriam se aposentar em um santuário como queriam os ativistas, mas mandados para outro zoológico, vem a tona a trágica história de crueldade que se perpetua em Seattle/EUA.

Chai é uma fêmea de elefante asiático nascida na Tailândia. Ela foi tirada de sua mãe quando tinha apenas um ano de idade, muito antes de ser desmamada. A fêmea de elefante foi um "presente" da Thai Airways a cidade de Seattle, e tem sido amplamente ‘estuprada’ com o método de inseminação artificial’ para reprodução.

 elefanta-estuprada

Em 2012, uma investigação revelou que o zoo insemino Chai 112 vezes. Para treiná-la para aceitar este procedimento muito invasivo,  as quatro pernas de Chai são acorrentadas e fixadas para imobilizá-la. Com os tornozelos imobilizados eles, então inserem um longo tubo flexível de até 10 metros de comprimento em seu trato reprodutivo, onde também segue acoplada uma micro-câmera.

Quando Chai, mesmo acorrentada, tentava evitar o estupro, ela é drogada com remédios poderosos como valium. Além das correntes, ás vezes Chai é confinada em uma gaiola de aço chamada de "dispositivo de retenção de elefantes". Os registros veterinários mostram que Chai sofre de problemas nas patas e nós pés; o balanço para frente e para trás – são sinais típicos de grande angústia mental.

De acordo com os ‘Amigos dos Elefantes do Zoo Woodland Park’, os elefantes são privados da capacidade de se envolver em comportamentos de elefantes naturais. Chai e Bamboo são exploradas, e vivem em um recinto apertado, e não têm acesso a uma árvore viva em seu quintal. " Uma delas sofreu queimaduras em sua pata, escaldada por sua própria urina, porque não podia se movimentar.

A história de Woodland Park Zoo de Seattle remonta a ano de 1893. O zoológico começou como parte do espólio de um rico inglês rico que construiu uma casa as margens do Green Lake de Seattle. A partir dai, o Woodland Park Zoo tornou-se uma atração turística em expansão

Em 1956, por 25 centavos no Woodland Park, as crianças eram levadas a passear nas costas de Thonglaw. O elefante indiano levava até 8 crianças de cada vez. Atualmente o zoo que recebe mais de um milhão de visitantes por ano. Operando com a mesma ‘falsa promessa’ de outros zoológicos, "[salvar] animais e reproduzi-los antes que sejam extintos". O Zoo mantém 1.100 animais , representando cerca de 300 espécies diferentes.

A história dos Elefantes do Zoo Woodland Park

Existem atualmente só duas fêmeas de elefantes asiático, vivendo no zoológico; Bamboo e Chai, são as únicas que resistiram aos maus-tratos, e apesar de sua longa história juntas, elas nunca se conectaram uma com a outra, em um comportamento social típico de uma manada de elefantes. As suas compartilham apenas um acre de terra que é dividido em cinco recintos, mas residem trancadas em uma jaula em um galpão pelo menos metade do ano devido ao clima frio e chuvoso de Seattle. Tipicamente elas ficam presas de 16-17 horas ininterruptas.

Watoto

Watoto era uma fêmea de elefante Africano, que também foi retirada do estado selvagem, e que foi levado para o zoo ainda bebê, como Bamboo e Chai.

É importante perceber que o elefantes ‘Asiático’ e o  ‘Africano’, não são simplesmente criaturas de diferentes continentes. Elas são espécies distintas. O que isto significa para Watoto é que ela nunca mais colocou os olhos em outro elefante de sua espécie desde que foi capturada no Quênia, quase um meio século atrás.

Ela era mais alta do que os elefantes asiáticos, e os elefantes africanos fêmeas têm as presas, enquanto as fêmeas asiáticas não. Mas ao final da vida Watoto tinha apenas uma presa. Em setembro de 2010, ela bateu sua presa contra o dispositivo de retenção de elefante do Zoo. Em poucos minutos, a presa caiu. Watoto também sofria de artrite crônica, e uma dolorosa doença de pele.

Watoto tragicamente faleceu em agosto de 2014, depois que ela foi encontrada deitado no chão, incapaz de se levantar. Aos 45 anos de idade, Watoto sofria de artrite e claudicação e era incapaz de ficar em pé . Funcionários do zoológico tentaram levantar o elefante na vertical utilizando equipamentos pesados ​​de elevação e de tiras de pano, mas não tiveram sucesso. 

Logo depois, Watoto foi eutanasiada. Em uma declaração pública, os ‘Amigos dos Elefantes do Zoo Woodland Park’ , comentaram: "A artrite e claudicação em elefantes confinados em zoológicos está diretamente relacionada ao seu meio ambiente e entre as principais causas de morte prematura", Watoto foi obrigada a ficar em substratos rígidos durante  um prolongado cativeiro no galpão e quando estava ao ar livre o solo era  inflexível".

Os elefantes compartilharam apenas dois recintos, um galpão de 8 por 18 pés, e um quintal de 20 x 42 pés. O espaço era tão pequeno e apertado que todos os elefantes tinham que ficar acorrentados até 17 horas a cada noite de chuva ou nevasca, que é típico durante metade do ano na cidade.

Bamboo

Bamboo é uma fêmea de elefante asiático que foi capturada na natureza em 1966, e enviada ao Zoo de Woodland Park. Há alguns anos ela apresentou comportamento agressivo, e foi considerado um elefante conturbado, foi enviada a outro Zoo, mas depois de ganhar uma quantidade perigosa de peso e exibir um comportamento estereotipado, foi trazida de volta para Woodland Park, onde ela ainda resiste..

De acordo com a In Defense of Animals , Bamboo sofre de problemas nos pés e ainda exibe comportamentos estereotipados .

Chai

Chai é uma fêmea de elefante asiático nascida na Tailândia. Ela foi tirada de sua mãe quando tinha apenas um ano de idade, muito antes de ser desmamada. E foi um "presente" da Thai Airways a cidade de Seattle, e tem sido amplamente ‘estuprada’ com o método de inseminação artificial’ para reprodução.

Quando Chai chegou ao Zoo Woodland Park Zoo, ficou alojado junto aos dois mais velhos elefantes residentes, Bamboo e Watoto. Quando em 1981, Sri, uma outra fêmea de elefante asiático, chegou ao Zoo vinda da Tailândia. Chai e Sri, que estavam quase a mesma idade, tornaram-se estreitamente ligadas.

Mas em 2002, o Zoo resolveu separá-las e enviou Sri ao Zoo de St. Louis, para um período de 10 anos de empréstimo para  ‘reprodução’. Sri engravidou em 2005, mas o feto morreu no útero e permanece dentro dela até hoje. Sri ainda está em St. Louis Zoo porque o Zoo Woodland Park decidiu não traze-la de volta.

Confinada em uma gaiola de aço chamada de "dispositivo de retenção de elefante", acorrentada e drogada, Chai foi estuprada ou inseminada 112 vezes até 2012.

O comportamento que parece imitar uma "dança", é na realidade, o é um sinal de extremo estresse psicológico grave. A origem são por falta de espaço, falta de enriquecimento ambiental, a falta de vínculo social e as dificuldades físicas e psicológicas individuais, que o animal tem sofrido. De acordo com eminentes biólogos de campo, esse comportamento nunca é observado em animais na natureza.

Ao longo dos anos, Chai foi inseminada artificialmente até 10 vezes por mês, sem sucesso. Depois de quatro anos e 91 tentativas falhadas, o Zoo mudou suas táticas, e, em 1998, enviou Chai para outro zoo a um custo de US $ 50.000, na esperança de que ela engravidasse e conseguir um filhote de elefante para ser exibido em Seattle. Além de ter sido abusada por seus tratadores, Chai também foi maltratada pelos elefantes fêmeas do outro zoo. Eles repetidamente a atacavam e chegavam a feri-la dela.

O zoólogo Thomas Hildebrandt, que é especialista na inseminação artificial de elefantes, disse em uma entrevista a Veja;

“O zoo deve ser um centro de criação de populações autossustentáveis, com o uso de tecnologias de reprodução de última geração. Em 2005, usei um tipo de óculos que me permitiu visualizar, em vídeo, as imagens captadas por uma sonda de ultrassom inserida em Chai, uma elefanta asiática. As elefantas têm detalhes anatômicos estranhos: a abertura vaginal não é externa, mas localizada no interior de uma câmara, o vestíbulo.”

Há ambientalistas que consideram o zoológico um ambiente inapropriado para um animal, seja qual for a circunstância. O que o senhor pensa disso? – Essa atitude é um aborrecimento”, disse Thomas Hildebrandt.

Quando ela finalmente voltou a Seattle, cerca de 18 meses depois, ela havia perdido mais de mil quilos. E estava grávida. A bebe que foi chamado Hansa, e nasceu em em 03 novembro de 2000.

Hansa

Hansa, a filha de Chai morreu no zoo aos seis anos de idade, de uma  uma cepa mortal do vírus da herpes. A ALDF alega que esta morte foi causada pelas práticas inadequadas do zoo. A IDA - In Defense of Animals, afirma que o zoo "há muito tempo está envolvido em conhecidas práticas que colocam os elefantes asiáticos em alto risco para esta doença quase sempre fatal. "

Quando Hansa nasceu, viveu no recinto do elefante com Chai e Watoto, um elefante Africano. De acordo com a IDA , mantendo os elefantes asiáticos e africanos no mesmo recinto aumenta o risco de propagação do vírus, além do que Chai concebeu Hansa no zoo de Missouri zoo (muito conhecido por hospedar o vírus) e, em seguida, transferiu os animais de volta para Seattle.

Uma outra questão é como eles conseguem o esperma de elefante macho. Basta pensar nisso por um momento. Isso tem que envolver algo mais do que mostrar ao elefante uma fotografia sensual. O elefante está sendo abusado, masturbado por um humano que tem que colher o líquido.

Vendo o trauma que estes elefantes sofreram durante seu tempo em Woodland Park Zoo, de uma forma ou de outra, é uma clara indicação de que algo precisa mudar. O Zoológico de Toronto aposentou seus elefantes, e os enviou para o Santuário PAWS, na Califórnia, e é hora do Zoo Woodland Park fazer o mesmo.  

É uma falácia afirmar que a manutenção de elefantes em zoológicos promove a conservação de elefantes selvagens. Esta reivindicação cria uma falsa relação entre o cativeiro e a conservação dos habitats, de modo a assumir que um pode influenciar o outro.

Depois de passar toda a sua vida que vivem no zoo, Bamboo e Chai merecem serem levadas para um santuário. O clima em Seattle é pouco apropriado para os elefantes. Ambas exibem comportamento estereotipado e possuem problemas nas articulações e nos pés que levaram à morte prematura de Watoto. Enviar Chai a outro zoo é dar continuidade com o sistema de reprodução, com a inseminação, com o estupro.  

Devido à história sórdida do tratamento dado aos elefantes, e no topo dos 10 piores zoos para elefantes, os cidadãos representados pelo Fundo de Defesa Legal animal (ALDF), entraram com uma ação contra o Zoológico Woodland Park em Seattle/EUA. Por sete vezes, esse zoo alcançou o topo do ‘Hall da Vergonha’, e mais recentemente um relatório do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) determinou que Woodland Park viola  uma lei de Bem-Estar Animal. Alyne Fortgang, co-fundador dos Amigos dos Elefantes do Woodland Park, disse que a inseminação de Chai é "uma tragédia absoluta." "Manter elefantes em cativeiro e reproduzi-las é tão anormal".

A ação em 2010, foi ajuizada contra a cidade de Seattle para parar o "uso ilegal de dólares dos contribuintes para apoiar o tratamento irresponsável, ilegal e cruel do Zoo Woodland Park Zoo a seus elefantes."  Alyne Fortgang, co-fundadora dos Amigos dos Elefantes de Woodland Park Zoo, disse que a inseminação de Chai é "uma tragédia absoluta." "Manter elefantes em cativeiro e reproduzi-las é tão anormal", disse ela. "Eles querem matá-los prematuramente."

A petição citou as "instalações inadequadas, as práticas de gestão abusivas, a negligência intencional de longa data, e as práticas de reprodução", como evidência do flagrante desrespeito do zoo para os três elefantes mantidos em seus cuidados. Todos os elefantes sofrem de "lesões  crônicas graves nos pés, traumas físicos inexplicáveis ​​e sangramento, e sustentado dano psicológico."

A inspeção da USDA, encontrou evidências de que o Zoo violou a AWA, ao não garantir que os elefantes tenham "acesso a um abrigo durante o tempo inclemente para dar-lhes proteção e para evitar o seu desconforto." Com essa violação, o Zoo infringiu uma disposição do Acordo Operacional com a cidade de Seattle, que exige que a Zoo "deve cuidar de todos os animais do jardim zoológico, de acordo com todas as leis e regulamentos federais, estaduais e locais."

O que você pode e deve fazer para acabar com o sofrimento dos animais; ‘Boicote Zoológicos’, eles dependem das vendas de ingressos para a grande maioria dos seus rendimentos. Sem clientes, eles não podem continuar a funcionar.

Sensibilizar faz a diferença! Os elefantes estão morrendo na maioria dos zoológicos da América. O apelo dos zoológicos em propagar que preservam os elefantes têm falhado. A taxa de mortalidade infantil para os elefantes em zoológicos é quase o triplo da taxa em estado selvagem.

Fonte: Friends of Woodland Park Zoo Elephants

alma-animais

8 de dez de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário