23 de jun de 2015

Jurassic World pode ser um filme sobre seres humanos matando um monstro criado pelos próprios seres humanos, mas é também um filme que apresenta as verdades inegáveis, do mundo real sobre as relações entre os seres humanos e animais.

Mesmo com toda a ação e ficção, os cineastas sutilmente conseguiram levantar as mesmas questões morais da criação de animais em cativeiro para o entretenimento humano, e por esse motivo está sendo considerado como a paródia de Blackfish, o documentário que mostrou as pessoas a crueldade com os animais, que pode ser melhor explicado se os parques marinhos tivessem o nome de ‘circos marinhos’.

seaworld-blackfish

O trailer do filme começa quando dois adolescentes embarcam em um avião, para conhecer um empreendimento que se utiliza de animais cativos amestrados para o entretenimento humano - uma clara referência ao SeaWorld, só que baseado em uma escala jurássica.

Vários parques temáticos tem sua entrada em forma de aeroporto para simular uma viagem ao desconhecido – e não por mera coincidência o mesmo ambiente de aeroporto e  avião, foi recriado pelo aquário de São Paulo, que também tenta recriar no Brasil os passos do SeaWorld, que durante muitos anos enganou o público com informações falsas sobre o tempo de vida, hábitos e tratamento dado aos animais cativos.

Já é sabido que os seres humanos tem uma propensão a se sentirem atraídos por animais gigantes. Tendo isso em mente os produtores de Jurassic World, apresentam na tela o Mosassauro gigante e o Indominus Rex, os animais são usados para recuperar a atenção dos frequentadores do parque, que estavam cansados das mesmas espécies.

Quando os seres humanos são desprezados, isso é chamado de desumanização, e quando isso acontece aos animais que é igualmente trágico mesmo que não seja nomeado - as pessoas estão tomando conhecimento dessa exploração.

Instituições como o SeaWorld onde os animais são mantidos isolados de seu ambiente natural em detrimento da sua saúde física e mental, não necessita de evidência científica para descrever os sintomas que os horrores do isolamento, podem causar a todo ser vivente, e que merecem mais do que a nossa compaixão para que possam ser libertados.

O isolamento é a falta de comunicação com todos os outros seres vivos. É torturante para os animais e reduz sua vida útil.

No filme o parque tem uma administradora focada somente nos lucros (como se existisse algum administrador de empresa que não tem o lucro como meta final).

E as semelhanças entre Jurassic World e Blackfish, ficam mais evidentes quando o mosassauro faz o truque de molhar sua plateia.

 

 

“Sim, há um pouco de vibração [de ‘Blackfish’] nesta história”, disse Colin Trevorrow, o diretor de “Jurassic World” . Ele diz que os estragos foram causados por uma criatura que cresceu em um ambiente igual ao do SeaWorld. “É  como se fosse a orca de Blackfish ficasse louca, por ter sido alimentada por um guindaste e por nunca saber quem foi sua mãe.”

O monstro transgênico que tem poderes desconhecidos de seus próprios criadores,  parece ter sido criado com algumas gotas de dna humano – já que depois acaba matando por puro esporte.

E porque o parque trata seus animais tão desumanamente, sem considerar suas necessidades, eles se rebelam para destruir tudo que está a seu alcance. É uma lição dura de aprender, que o parque somente será lacrado, depois que inúmeras vidas forem perdidas.

Uma outra questão interessante abordada pelo filme, acontece quando dois homens encontram um brontossauro morrendo no chão; o animal gemendo, sangrando e coberto de arranhões, e com os olhos mais tristes do mundo, conseguem comover os corações mais frios, e eles acabam por se solidarizar com o sofrimento do pobre animal.

E mesmo que não tenhamos a real noção de como era um som de um dinossauro, dessa vez

Os produtores do filme também optaram por se basear em sons reais de porcos, baleias, golfinhos e macacos para criar os efeitos sonoros vistos nos animais fictícios.

A relação de Jurassic World com o documentário Blackfish é mais ainda mais perceptível – quando comparado ao  que o Seaworld faz em desserviço à ciência, e ao bem estar dos animais - pois essa imagem ERRADA, que durante muito tempo foi adorada - é agora absolutamente abominada e desprezada pelo público.

Sem querer ou querendo, Jurassic World abriu desde já, um importante espaço para a continuação da discussão iniciada pelo documentário Blackfish.

Isso sem contar que esse é o entretenimento correto, pois se utiliza de tecnologia e não de performances de animais. Visto em 3D, o filme promete surpreender dentro e fora do cinema, já que agora podemos usar do entretenimento imaginário para discutir os direitos dos animais.

Assista ao trailler.

 

23 de jun de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário