28 de jul de 2015

“A morte do leão Cecil é uma tragédia, não só porque era um símbolo do Zimbábue, mas porque agora podemos dar seus seis filhos como perdidos também. O novo chefe do bando não vai permitir que vivam, vai matar todos eles”, diz o diretor da Equipe de Preservação do Zimbábue, Johnny Rodrigues.

cecil-leao

O assassinato do leão Cecil chocou a comunidade, e o homem que ordenou a morte de Cecil é um dentista americano que pagou 49 mil euros aos guias que o levaram até o animal raro. Cecil foi encontrado sem cabeça nem pele, em 1 de julho.

Com um arco, uma flecha —e um pagamento antecipado de 50.000 euros— o dentista matou o leão de 13 anos de idade.

“A caça foi ilegal”, sentencia taxativo o representante do Governo do Zimbábue. “Os três agressores não tinham licença e perseguiram o felino por dois dias depois de feri-lo”, acrescenta. Segundo seu relato, depois de mais de 40 horas de caça, acabaram com a vida de Cecil com um disparo nos arredores da reserva em que vivia, dentro dos limites da concessão de Gwaai, até onde foi conduzido com uma isca de carne e um rastro de sangue. O ataque aconteceu de noite, pelo que apenas na manhã seguinte foram encontrar o animal decapitado e sem pele. Ficaram com a cabeça como troféu.

“Sem dúvida, foi horrível. Tudo que fizeram foi ilegal”, assegura Rodrigues, consternado. “Tentaram destruir a coleira de GPS que estava no leão e que lhe permitia andar com liberdade pelo parque, mas não conseguiram”, acrescenta.

O caçador pertence à Associação de guias e caçadores profissionais local (ZPHGA, na sigla em inglês), que, em um comunicado oficial, confirmou que um de seus membros liderou a caça e garante que os fatos estão sendo investigados. Membros da ZPHGA afirmam que era um safári privado, mas o Governo insiste que o leão vivia na reserva e que era protegido. A Associação dos caçadores, que não quis fazer comentários sobre questões legais, suspendeu o caçador indefinidamente por desrespeitar as normas de comportamento do clube.

Por ser o maior felino da região, Cecil era uma atração turística do país. Os vizinhos do país africano recorreram à mídia para expressar seu horror, apenas alguns dias depois que 23 elefantes bebês foram capturados e exportados para a China, no mesmo parque Hwange.

Além de sua beleza, Cecil parecia apreciar o contato com humanos, posando para todos que quisessem lhe fotografar. O leão terá sido atraído para fora do parque (comum presa morta) e só então foi atingido com a flecha. “Ele nunca chateou ninguém, era um dos animais mais bonitos para se olhar”, descreve Rodrigues.

Já o caçador suspeito de ter feito o disparo é Theo Bronkhorst, um profissional que trabalha para a Bushman Safaris que esta a ser acusado pela “Gwayi Conservancy”, uma organização sem fins lucrativos que protege a vida animal no distrito de Hwange

O americano o responsável pela morte de Cecil, chama-se Walter James Palmer, um dentista de Minnesota/EUA,  que teria pago 49 mil euros para disparar com arco e flecha contra o leão Cecil.

O dentista se tornou um viciado em assassinar animais raros; como alces, ursos negros, ursos polares, pumas, leopardos, rinoceronte branco e leões.

A caça com arco e flecha é legalizada em todos os países africanos.

28 de jul de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário