9 de mai de 2012

 

A trágica viagem já completa 100 anos. No dia 14 de Abril de 1912 o Titanic deixou o porto de Southhampton, Inglaterra, em direção ao porto de Nova York. Viagem fatídica que terminou no fundo do oceano. .

O assunto poderia ser considerado esgotado se não fosse pelo fato de não haver sido mencionada a existência dos muitos animais que estavam a bordo.

animais_titanic (1)

Em reportagens veiculadas esta semana pela mídia londrina, estima-se que viajavam a bordo em torno de 12 cães, 4 galinhas, 30 frangos, 1 canário amarelo e a gatinha Jenny, a encarregada de caçar ratos no navio.

Alguns dos cães que estavam a bordo participariam de uma exibição/show que aconteceria no dia exato do naufrágio. No "Titanic" seguiam doze cães. Três deles sobreviveram ao terrível naufrágio.

Os demais acompanhavam seus donos como a pequinesa Suki, a pomerania Lady, a airedale Kitty, pertencente ao milionário americano J.J. Astor, e  o buldogue inglês campeão, comprado pelo equivalente a 14.000 libras esterlinas de hoje, um cocker spaniel e um pequeno cachorrinho frou-frou.

Ainda que alguns dos cães estivessem nas cabinas com seus donos, outros viajavam trancados em jaulas colocadas embaixo dos decks, o que lhes tirou qualquer chance de serem salvos. Na verdade poderiam ser muitos mais, pois os animais de estimação não eram incluídos na lista de passageiros. As galinhas possivelmente pertencessem aos passageiros imigrantes que as trouxeram a bordo para poderem consumir os ovos, único luxo que podiam se dar na longa viagem para Nova York.

A gatinha Jenny pertencia a tripulação do navio. O cachorro favorito do capitão Smith, um galgo irlandês, que costumava acompanha-lo nas viagens, nessa travessia foi felizmente deixado em casa.

animais_titanic-(4) animais_titanic-(3)

Apenas 3 dos cães e o canário amarelo sabe-se com certeza que  salvaram-se.  Um deles foi a pequinesa Suki, pertencente a Grace Rushton, que se recusou a entrar no bote salva-vidas sem ela. Contra o argumento de que a mesma ocuparia o espaço de uma criança respondeu: - Como não tenho filhos, considerem-na minha filha". A temperatura gélida do Atlântico norte era de -2 graus, impossibilitando a sobrevivência na água. Os animais que não se afogaram morreram de hipotermia. Uma história, porém,  chama a atenção, a de Rigel, um terranova negro, pertencente ao primeiro oficial do Titanic, Willian Murdock. Surpreendentemente Rigel sobreviveu nadando na água gelada por mais ou menos duas horas até que o navio salvador, Carpathia, chegou. Conta-se também que foi seu latido de alerta que evitou que o navio abalroasse um dos botes salva-vidas ao se aproximar em demasia no escuro. Na época Rigel ficou conhecido, até mesmo pela necessidade de encontrar-se algo positivo em uma catástrofe daquela dimensão.

O destino dos animais a bordo do Titanic foi proporcionalmente ainda mais trágico do que o dos humanos, uma vez que, de todos os animais, apenas três cães sobreviveram e foram levados nos botes salva-vidas por seus tutores: o lulu-da-pomerânia de Margaret Hays, o cão de Elizabeth Rothschild e o pequinês de Henry e Myra Harper.

Margaret Hays e suas amigas fugiram da cabine do transatlântico Titanic enquanto ele começava a afundar. Neste momento ela só pensava em salvar seu maior tesouro: Lily, seu cachorro spitz alemão. Quando Margaret entrou no bote salva-vidas, ela segurou firme Lily, que estava enrolada em um cobertor. As duas sobreviveram ao desastre marítimo mais célebre da história.

pets_titanic

E há a estória de Ann Elizabeth Isham, que preferiu morrer abraçada ao seu cão em vez de o abandonar.
Ann Elizabeth Isham, 50 anos, visitava o canil do “Titanic” quando foi dada ordem de evacuação. Pediu para levar o seu cão, disseram-lhe que não, por ser muito pesado. Preferiu morrer junto ao animal de estimação.

Uns dias depois, a equipe de resgate encontrou o corpo de uma mulher abraçada a um cão.

Um caso dramático melhor descrito foi o de Fru-Fru, o cão de Helen Bishop. Bishop, a contragosto, abandonou o cão em sua cabine, e ele ainda tentou impedi-la de sair sem ele, mordendo-a pelo vestido até que este rasgou. A sobrevivente ainda falou depois: “A perda do meu cãozinho me machucou demais. Jamais vou esquecer como ele se agarrava a minhas roupas. Ele queria tanto me acompanhar!”

De acordo com os arquivos oficiais do Titanic, apenas 12 cães teriam embarcado em Southampton, naquele abril de 1912. Mas apenas três sobreviveram.

Agora os cães do Titanic estão sendo apresentados na exposição, RMS Titanic: 100 Years, na Widener Art Gallery, na Universidade de Widener, na Pensilvânia (EUA).

animais_titanic (2)

“Não se sabe muito sobre os cachorros, mas todos estavam com os passageiros da primeira classe. Quando os ricos e famosos viajavam, eles costumavam levar os cachorros junto”, explica o curador da mostra, Joseph J. Edgette, professor emérito da educação e folclore. Uma vez que os cães eram considerados ‘carga’, não havia uma lista oficial daqueles que estavam a bordo. Edgette, porém, a partir de extensa pesquisa em documentos pessoas dos passageiros, criou sua própria lista com os cães, nomes, raças e tutores.

Todos os objetos expostos vieram da coleção particular de Edgette, inclusive a fotografia de um grupo de cães, tirada no convés superior do Titanic pelo Padre Francis Browne. O padre fotografou poucos sobreviventes e apenas de conhecidos no interior do navio. “A Kodak iria tirar fotos quando o navio chegasse em Nova York”, disse o curador.

Entre os outros passageiros caninos estava Airedale, Kitty, cujo tutor era John Jacob Astor. Nenhum dos dois sobreviveu. Outros artigos em exposição incluem jornais originais, réplicas do serviço de prata do Titanic…
“Existe uma ligação especial entre as pessoas e os animais. Para muitas, eles são considerados membros da família. Eu não acho que qualquer outra exposição sobre o Titanic retrate e reconheça o trabalho e o amor que estes animais tiveram para perder suas vidas em um cruzeiro”, finaliza Edgette.

9 de mai de 2012
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário