16 de out de 2013

SOMENTE COM OS TESTES EM ANIMAIS QUE NÃO PODEM FALAR OS PSEUDOS CIENTISTAS GANHAM
MILHÕES SEM TRABALHAR, SOMENTE PASSANDO OS DIAS TORTURANDO ANIMAIS.

crueldade-instituto-royal

Os animais sentem, amam e sofrem como nós. A Europa já proibiu o uso de animais em testes. A prática de experimentos cruéis demonstram a pouca inteligência dos cientistas e seus colaboradores, que propagam essa mentira.

Com o nome de Instituto Royal, a empresa funciona há anos sem alvará e sem contratar moradores da região, que poderiam denunciar as atrocidades cometidas contra os animais. Liberada do pagamento de impostos, ainda recebeu uma ajuda de 5 milhões de reais do governo federal.

PERGUNTAS QUE GOSTARÍAMOS QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO FIZESSE AO INSTITUTO ROYAL:

=> PORQUE A SECRETARIA DE SAÚDE ALTEROU O ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO BENEFICIANDO IRREGULARIDADES ?
=> PORQUE O GOVERNO FEDERAL DISPONIBILIZOU 5.000.000,00 PARA O INSTITUTO ?
=> PORQUE A GERENTE SILVIA ORTIZ FEZ BO CONTRA OS ATIVISTAS ?
=> PORQUE O INSTITUTO NÃO OFERECE EMPREGOS PARA O PESSOAL DA CIDADE?
=> PORQUE ESTÃO ISENTOS DE IMPOSTOS?
=> PORQUE O GOVERNADOR DO ESTADO DESTACOU EFETIVO DA TROPA DE CHOQUE NA OUTRA MANIFESTAÇÃO?
=> PORQUE NÃO USAM MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA OS TESTES?

Uma reunião pequena será feita com o prefeito e o Grupo C.I.A -Compaixão Informação E Atitude Animal, para que sendo as provas aceitas haverá possibilidade de interdição parcial em função da ausência de alvará específico para a atividade e incentivos federais sem autorização de funcionamento e registro no órgão normativo que rege testes em animais no Brasil.

Os ativistas permanecem em frente aos portões do Instituto Royal que é investigado desde 2012 pelo Ministério Público devido a denúncias sobre maus-tratos e já foi, inclusive, alvo de protestos no passado, tendo recentemente enfrentado uma passeata de ativistas saídos do Vão Livre do Masp, na capital paulista, no último dia 22 de setembro.

DBCA

16 de out de 2013
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário