6 de nov de 2013

A cidade foi construída no único caminho que os Ursos Polares tem para sua migração de inverno à procura de alimentos.

Os ursos que adentram à cidade, e que não são mortos, são mandados para o hangar que virou um presídio para os pobres animais, que depois são anestesiados e transportados para fora da cidade.

Ursos polares estão ficando com fome por períodos mais longos, resultando, além dos ataques a humanos, em canibalismo entre os ursos. Embora ursos matem filhotes para que as fêmeas voltem ao cio, os ataques aos pequenos também têm ocorrido por fome.

No último ataque a um humano o urso foi morto a tiros por funcionários da prisão. Além dele, uma ursa fêmea foi morta em seguida. Seu filhote recebeu um tranquilizante e foi levado para o zoológico de Winnipeg.

urso_polar

Ursos reincidentes (que insistem em voltar pela cidade), são retirados com uma arma tranquilizante ou atraídos para armadilhas. Depois de terem sido tranquilizados com uma pistola de dardos e arrastado para a prisão dos ursos como se fossem bêbados, eles recebem apenas água, nenhuma comida e uma cama feita de lascas de madeira.

Na prisão dos ursos eles não há nenhum  veterinário, um fato pertubador que indica que os ursos são maltratados, estão famintos, e vão continuar passando fome enquanto estiverem presos.

Os responsáveis pela prisão dos ursos admitem que tentam tornar a estadia dos ursos tão desagradável quanto possível, pois acreditam que assim incentivar os animais a não voltarem.

Os Ursos geralmente ficam na cadeia por até 30 dias, antes de serem levados de helicóptero para fora da cidade. Até agora, este ano, 15 ursos foram libertados de volta na natureza. Outros ursos que são considerados perigosos demasiado  ficam por meses na prisão

A cidade de Churchill se auto-proclamou a "capital mundial do urso polar" - tem mais ursos polares  do que ele tem pessoas. Por dia 20 Ursos podem ser vistos em torno da cidade - com cerca de 1.000 ursos fazendo o seu caminho através de uma comunidade com pouco mais de 800 pessoas durante a temporada.

Muitos ignoram a solução, que seria mudar a cidade de lugar, para que os ursos que sempre utilizaram dessa área, continuassem sua vidas em paz.

O Aquecimento global diminui a área congelada por mais tempo, o que afeta ecossistema da região e reduz a oferta de alimento para os ursos polares

Aquecimento global e ursos polares

Segundo a Federação Nacional de Vida Selvagem do Canadá, a principal ameaça do urso polar é a perda de gelo do seu habitat devido ao aquecimento global. A Pesquisa Geológica dos Estados Unidos projeta que dois terços dos ursos polares vão desaparecer até 2050.

Na região da Baía de Hudson, não há gelo durante o verão, e os ursos polares vivem na terra até que a baía congele novamente, onde eles podem voltar a caçar nos icebergs, fazendo buracos e atingindo animais marinhos. Enquanto isto, eles comem pouco ou nada.

Em apenas 20 anos, o período sem gelo na Baía de Hudson aumentou em média 20 dias, deixando os ursos sem caçar por mais tempo. A área está congelando mais tarde no outono e descongelando mais cedo na primavera. Eles, com isso, perdem inclusive a época de nascimento de focas. Como resultado, a média de peso deles caiu 15%, levando a menores taxas de reprodução. A população de animais no local já sofreu uma queda de mais de 20%.

O gelo restante também fica mais distante da costa, tornando o local menos acessível. Com menos gelo, a área de mar aberto é mais extenso e tem ondas maiores, fazendo com que eles nadem da terra ao gelo com mais dificuldade. Em 2004, biólogos viram quatro ursos polares afogados em Beaufort Sea.

Além dos problemas da perda de áreas de caça, os ursos polares também perdem oferta de presas, como focas. A redução de gelo perto das áreas reprodutivas de peixes afeta a nutrição das focas e sua taxa de reprodução.

 

  • A cidade de Churchill na província de Manitoba é conhecida como a capital do urso polar.  Quando o gelo que cobre o mar derrete, o urso polar nada de volta para o continente e aqui permanece até que o mar congele novamente para que ele possa voltar a caçar. Então em meados de julho eles começam a aparecer na região de Churchil, que fica bem lá em cima na Baía de Hudson.
    • Não existem estradas ligando a cidade ao resto do país. Para chegar lá só de trem (40hs) ou de avião, ambos partindo de Winnipeg.
    • Você pode andar de um lado a outro da cidade em 15 minutos

     

    Fonte: DailyMail, G1

    6 de nov de 2013
    comments powered by Disqus

    Comentário(s)

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário