1 de set de 2014

Arturo o urso polar mais triste do mundo nasceu  em 28 de novembro de 1985, no zoológico de Búfalo no Colorado/EUA. Ainda filhote foi retirado dos braços de sua mãe e foi vendido e trazido para a Argentina.

arturo_world saddest polar bear

Primeiro foi levado ao Zoo de Buenos Aires, e depois aos 8 anos de idade foi transferido para o Zoo de Mendoza, que fica na região mais árida e seca, conhecida como deserto cuyo onde se encontram as principais plantações de uva, utilizadas na fabricação dos vinhos argentinos.

Vivendo em condições insalubres para sua espécie e suportando além de temperaturas muito quentes, Arturo também tem que suportar o descaso das autoridades e dos diretores do Zoológico que não atendem suas necessidades mais básicas.. Partes de seu corpo chegam a apresentar queimaduras provocadas pelo sol

A tristeza e o descaso com o urso polar chegaram ao conhecimento mundial, graças a um pequeno grupo de ativistas argentinos os Ecológicos Unidos (facebook.com/ecodifusion29), que criaram a comunidade do Oso Polar Arturo (facebook.com/osopolararturo) em espanhol, que comoveu diversas pessoas pelo mundo.

Diante da situação, protetores de animais do Canadá e do Greenpeace organizaram uma petição para conseguir retirá-lo dessas condições e mudar Arturo para um santuário no Canadá.

No entatnto as autoridades e o zoológico negou o pedido de transferência após a análise de um grupo de veterinários local, que nunca foram especialistas em ursos polares. A nota afirma que é essencial que o animal seja avaliado por um especialista da área para que a qualidade de vida de Arturo seja melhor, independente da mudança.

O quarto de Arturo, tem menos de 2 metros quadrados, no qual ele mal pode se virar. O único ar condicionado em funcionamento faz um barulho enlouquecedor.

Os problemas de saúde de Arturo foram se agravaram com a idade. O animal que sofre de dores nas articulações e de artrite, já estava na pauta dos ativistas argentinos há muitos anos que reivindicavam melhorias no recinto dos ursos polares do Zoológico de Mendoza. Em Novembro de 2011, Arturo e sua companheira Pelusa foram transferidos para um novo local que demorou apenas 6 meses para ser construído, e que na teoria deveria ser melhor, mas acabou por deteriorar a saúde de ambos os animais.

Quatro meses após a mudança para o novo recinto, Pelusa ficou doente e faleceu em Maio de 2012. As autoridades argentinas para não admitir seu erro na equivocada construção que em sua área útil é ainda menor e mais íngreme do que antiga, atribuíram que a morte da companheira é que fez com que Arturo ficasse depressivo.

Especialistas estimam em 30 anos a vida dos ursos polares em cativeiro. Arturo chega aos seus 29 anos de calvário, e a única modificação em seu recinto, depois de tantos apelos e petições, foi a ter o concreto e a piscina pintada de branco para imitar a neve. Até as doações de gelo ao animal estão sendo boicotadas pelos administradores do Zoo. Quem quiser doar gelo, tem que primeiro enviar uma solicitação para a cidade de Buenos Aires onde fica a administração geral de zoológicos argentinos, e aguardar a resposta. Por este e por outros descasos e maus tratos aos animais no Zoológico de Mendoza, devemos boicotar os produtos argentinos para mandar nossa mensagem de desaprovação a eles e de nossa compaixão pelos animais que eles escravizam.

Conheça os detalhes da vida do urso polar Arturo assistindo o vídeo, para saber como você pode ajudar

 

.

1 de set de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário