5 de dez de 2014

“Eu me esforço para criar fotografias que não podem ser esquecidas; as fotos que são poderosas e que capturam de uma forma única este mundo extraordinário em que vivemos”, diz em seu blog a renomada fotografa Julia Cumes , que se especializou em fotojornalismo, retrato ambiental, viagens e fotografia editorial, publicadas em várias revistas como a National Geografic.

A história por trás da foto do

A descrição de suas viagens pelo mundo, e as situações que a fazer registrar em fotos são por vezes assunto de seu blog, onde ela descreveu o caso do bebê elefantinho.

Poucos dias atrás, um estranho me perguntou qual era a história por trás da foto do bebê elefante. Enquanto eu sou essencialmente uma fotógrafa envolvida em contar histórias sobre a experiência humana, eu senti que havia algo nos olhos deste elefante bebê que se tornou muito mais do que uma somente a imagem descritiva de um animal. Eu vi nos olhos dele algo universal e profundamente expressivo. Eu amo retratos por sua capacidade de captar algo além da superfície, talvez você poderia até chamá-lo de "alma". Pois bem aqui está a história por trás da expressão do fundo da alma deste elefantinho e da interação momentânea que me levou a registra-la.

Eu conheci este bebê elefante enquanto eu documentava o programa de reabilitação de animais em Assam, na Índia, há alguns anos para a IFAW (Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal). Ela havia sido separado da mãe durante uma inundação e o IFAW / WTI Centro de Reabilitação e Conservação da Vida Selvagem, havia resgatado o animal, o qual estava sendo preparando para ser integrado a uma nova família de elefantes órfãos no centro de reabilitação.

Mas ele era tão bebezinho, que ainda precisava ser alimentado com mamadeira e, portanto, foi mantido separado dos outros órfãos mais velhos. Os elefantes são animais extremamente inteligentes e sociais e têm estreitas relações ao longo da vida com os outros membros da família, assim como os seres humanos fazem. Uma manhã, eu fotografei este elefante sendo alimentado com mamadeira, mas sua necessidade maior, era a de se conectar ... com a pessoa que o alimentava – e que era eu. Sua longa tromba, sensível explorava cada cheiro e textura que encontrava.

Em um ponto, ele veio até a mim e até mesmo parecia estar examinando a minha câmera de perto, cheirar e sentir a engenhoca de metal misterioso. E eu não pude deixar de rir tamanha era sua curiosidade.

No momento em que eu saí do edifício, eu estava completamente encantada com o pequeno elefante. Quando me virei mais uma vez para olhar para o galpão que abrigava o elefante, eu vi que ele tinha se levantado sobre suas patas traseiras e estava olhando pela janela diretamente para mim. Sua expressão era tão impressionante naquele momento, que eu senti uma intensa conexão. Fiz algumas fotos dele, que parecia querer sair pela janela para ficar ao meu lado. Mais tarde, quando eu vi esta foto, eu sabia que nunca mais eu iria ver elefantes só como elefantes.

O bebê elefante depois acabou sendo integrado a uma manada de elefantes órfãos que foram, em seguida, libertados de volta para o deserto. A última vez que soube, era a de que eles tinham feito uma boa transição da infância para a maturidade.

alma-animais

5 de dez de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário