16 de jun de 2015

Você sabia que no Brasil, não é proibido manter orcas em cativeiro. Se os avós e os pais dele também forem de cativeiro (ou se inventarem que são), os vários aquários e parques marinhos que estão sendo construídos por aqui, vão depois de prontos revelar de onde vem a inspiração.

aquariosp-mundomarino

Como aprender biologia em locais que atentam contra a vida animal? Que coerência pode haver em profissionais supostamente comprometidos com o bem-estar animal e que no entanto trabalham em cumplicidade com as mesmas pessoas que obrigam os animais a permanecer em cativeiro o que inevitavelmente faz com que fiquem doentes. Consideramos que por vocação um veterinário, não deveria aprender com esses cativeiros, mas durante as práticas em campo.

Não precisamos de ‘tocar’ em um cetáceo cativo para aprender mais do assunto. E é nos parques aquáticos que querem fazer aulas práticas de biologia. É isso que querem aprender? A pergunta é do Prof.Dr. Pablo Meyer, veterinário, Docente Pós Graduado do Hospital Escola da Universidade de Buenos Aires, e que há mais de 20 anos faz palestras internacionais sobre cirurgia e anestesia em animais.

A questão que muitos não sabem, é que os zoológicos, parques marinhos e aquários que mantém animais para o entretenimento, também aprenderam a ganhar dinheiro ministrando cursos para veterinários, biólogos, tratadores, e quaisquer outras profissões que envolva os animais.

Além dos parques temáticos eles criam fundações ou institutos com o intuito de resgatar, tratar, estudar e reintroduzir os animais a seus habitats. E os animais que por algum motivo não puderem ser reintroduzidos na natureza, acabam por receberem asilo em seus parques.

11425147_583816291721520_8639098080540888554_n

Fotos: Facebook/SinZooArgentina

A ideia começou com o Seaworld através do HUBBS-SEAWORLD RESEARCH INSTITUTE, quando o parque marinho começou a oferecer uma plataforma para realização de pesquisas, resgates e reabilitações de animais marinhos. A equipe de resgate de animais do SEAWORLD fica disponível 24 horas por dia e já ajudou milhares de golfinhos, manatis, baleias e tartarugas doentes ou machucadas. O programa de resgate do parque é o maior do mundo. Os animais são cuidados e, se preciso, operados no moderno centro de reabilitação. Mas só os que se recuperam são devolvidos a natureza.

Depois que o filme Blackfish expôs a triste realidade da orca tilikum em cativeiro; o Seaworld começou a declinar, além dos cantores conhecidos cancelarem seus shows dentro do parque, ninguém em seu juízo perfeito quer frequentar o torturador de animais marinhos. Em resposta o Seaworld publicou uma  carta aberta , que entre outras coisas dizia;

As baleias que estão sob o nossos cuidados beneficiam os animais que estão na vida selvagem. Trabalhamos com universidades, órgãos governamentais e ONGs para aumentar o corpo de conhecimento e a compreensão sobre as orcas - desde sua anatomia e biologia reprodutiva até suas habilidades auditivas.

O SeaWorld é líder mundial em resgate de animais. As milhares de pessoas que visitam nossos parques todos os anos tornam possível o SeaWorld ocupar a posição de instituição mundialmente renomada no que se refere a resgate, reabilitação e soltura de animais.

E eles não estavam mentindo, o próprio governo dos Estados Unidos, e o Fundo Internacional para o Bem Estar Animal – IFAW, que é a maior organização internacional criada pela ONU para o bem-estar dos animais, mantém contratos com o Seaworld,  para o resgate e reabilitação de animais, o que na prática significa que fecham os olhos para o entretenimento e aprisionamento de animais.

11412136_582214768548339_8480163704969917403_n

Fotos: Facebook/SinZooArgentina

E não esquecendo que apesar dos inúmeros nomes que o Seaworld pode ter, e mesmo que você nunca tenha ido em alguns de seus parques, e mesmo que você não concorde que eles adestrem e mantenham animais marinhos para entretenimento humano, lembre-se também de nunca tomar a cerveja Budweiser. Em 1989, a cervejaria Anheuser-Busch, produtora da cerveja Budweiser, comprou todas as unidades do Seaworld.

E se isso acontece lá nos EUA, nem precisa imaginar o que acontece na América Latina.

Na Argentina existe o Mundo Marino, que se diz ser o maior oceanário da América do Sul (‘não era o aquário de São Paulo?’), na cidade de San Clemente del Tuyú, a apenas três horas e meia de Buenos Aires.

Para a realização de seus shows, eles possuem 20 piscinas com mais de 50 mamíferos marinhos cativos, entre  golfinhos, lobos marinhos, e a orca macho Kshamenk, que dá em torno de 500 voltas por hora em sua pequena piscina.

Os shows com animais são proibidos pela Portaria nº 2904 - Anexo 1 - Decreto nª112 - 2006 – no município de La Costa, onde fica o Mundo Marino na Província de Buenos Aires.

No entanto o parque criou a Fundação Mundo Marino, que da mesma forma que o  Seaworld criou um Instituto, fez também vários contratos com o IFAW e com o governo argentino; para resgatar, tratar, e reintroduz os animais que considera que podem ser reintroduzidos, e os que não podem são enviados para o oceanário.

De acordo com a Whale and Dolphin Conservation (WDC), o Mundo Marino obteve uma autorização do governo argentino para a exportação de sêmen da orca Kshamenk , para os Estados Unidos, e assim conseguiu confina-lo dentro de um programa de colaboração científica com o SeaWorld. Como resultado deste programa consta o registro do nascimento de duas orcas fêmeas, pertencentes ao SeaWorld.

11351131_581970981906051_1190835196062173920_n

Assim a orca Kshamenk é exposta no Mundo Marino em parceria com o Sea World, não só nos shows, mas também para a comercialização de seus sêmen extraído por eletro ejaculação, o método de reprodução das orcas em cativeiro. Quando às autoridades recusaram uma permissão para deslocar Kshamenk para um aquário nos EUA, para reprodução assistida, foi somente permitido exportar seu sémen, embora a prole obtida a partir dele são uma continuação dos bens públicos que constituem Kshamenk como sendo da Argentina, e sobre o qual o SeaWorld não pode dizer que tem o direito de sua propriedade ou de seu lucro.

Desde 1992, quando Kshamenk foi capturado devido a um encalhe forçado pelo SeaWorld. Quatro orcas foram arrastados para a praia pelos barcos do SeaWorld, com uma rede estendida entre eles. As orcas encalhadas na areia permaneceram lá por muitas horas. Uma foi devolvido ao mar por ser demasiada grande. Um segundo morreu em trânsito e o terceiro colidiu contra as paredes da piscina em que foi introduzida, tentando sair, e morreu. O único sobrevivente das quatro orcas foi Kshamenk. Que por um tempo compartilhou de sua pequena piscina com a orca fêmea Belém, que morreu em fevereiro de 2000, deixando Kshamenk sozinho em seu cativeiro.

Se fosse libertado, ele viajaria grandes distâncias, mas a ganância comercial e o egoísmo humano transformado a sua identidade em um produto de mercado selvagem.

Kshamenk, como é mais um, entre os muitos animais infelizes prisioneiros de todos os aquários do mundo, e visto e tratado como um brinquedo público, sujeitos a exploração, que impunemente violam seus corpos e seus espíritos, onde as performances só são alcançadas depois de esmagar a vontade do animal através da punição corporal, o confinamento e a fome.

1454774_1590565217897973_6154224126763833580_n

Grande parte da comunidade científica, incluindo biólogos e veterinários, mantém uma posição muito crítica em relação à manutenção de orcas em cativeiro - especialmente para fins de entretenimento. "Não é só o Tilikum, todas as baleias em cativeiro são psicologicamente traumatizadas", diz no documentário a neurocientista Lori Marino, doutora em comportamento animal.

No Brasil, não é proibido manter orcas em cativeiro. Mas as regras são tão rígidas que inviabilizam shows em parques aquáticos. Só é permitido manter um bicho em cativeiro se os avós e os pais dele também forem de cativeiro, disse o Dr. Mario Rollo, doutor em ecologia de mamíferos marinhos e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Para o veterinário Milton Marcondes, diretor de pesquisa do Instituto Baleia Jubarte, o que se ganha em conhecimento sobre as orcas não justifica o sofrimento que elas passam sendo mantidas em cativeiro. Ele explica que a falta de espaço tem consequências físicas e psicológicas para as orcas. Por exemplo, na vida selvagem, apenas 1% dos machos tem a barbatana dorsal caída, sinal de estresse. Já nos parques, praticamente todos os machos têm esse sintoma. O tempo de vida das orcas em cativeiro, no máximo 30 anos, é muito menor que sua média na natureza: 60 a 80 anos. E o convívio forçado entre elas é uma fonte constante de brigas. "Na natureza, se surge algum conflito, as orcas podem simplesmente nadar para lados opostos. No aquário, elas são obrigadas a conviver", explica Marcondes.

10393976_582477055188777_2286281441599544625_n

Além do parque Aquário de São Paulo, existem aquários nas cidades de Santos, Ubatuba e Guarujá.

No Rio de Janeiro a construção do AquaRio diz que vai reunir 8 000 exemplares em uma área de 22 000 metros quadrados, já teve a construção embargada pela terceira vez.

No Pantanal o aquário com previsão de usar 1 milhão de litros de água, foi orçado em R$ 87 milhões, mas com o atraso das obras agora deve chegar a R$ 170 milhões, agora está sendo investigado pelo Ministério Público do Estado (MP-MS), que expediu ofício à Polícia Militar Ambiental (PMA), Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (Imasul) e à Anambi, empresa responsável pelos peixes, solicitando informações para o inquérito civil dizendo que vai investigar o Aquário do Pantanal.

E da mesma forma que o Seaworld tem ligações com a cerveja Budweiser, a operação, manutenção e exploração do Aquário do Pantanal, será da empresa Cataratas do Iguaçu S/A, que venceu a licitação, e que já também administra o empreendimento turístico de Foz do Iguaçu, no Paraná, administra também outros pontos turísticos no Brasil. No Rio de Janeiro, o aquário em construção; em Pernambuco o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, e em São Paulo o Aquário do Guarujá.

Mas o fundo de investimentos Advent, que administra vários parques marinhos pelo mundo se tornou a acionista majoritário da empresa. Um dos parques do fundo é o Loro Park em Mallorca na Espanha, onde o grupo SOS Golfinhos conseguiu gravar um vídeo em que um tratador, agredia fisicamente e verbalmente os golfinhos.

Em Fortaleza, o Acquario Oceânico do Ceará, que promete esbanjar 15 milhões de litros de água, e está orçado em U$ 150 milhões, com a promessa de ser o terceiro maior do mundo, está com a construção paralisada devido a decisão da justiça.

Em Brasília alguns deputados já estão se mobilizando para criar a CPI dos aquários.

RickOBarry-Kshamenk

Os cientistas envolvidos no campo do comportamento dos golfinhos sugerem que eles poderiam ser as criaturas mais inteligentes na terra, depois dos humanos, e mais do que os chimpanzés. Além disso, que eles devem como tal, ser tratados como "pessoas não-humanas", caso em que devem ter seus próprios direitos específicos e que eles iriam torná-lo moralmente e eticamente inaceitável para mante-los em cativeiro, ou essencialmente para matá-los, intencionalmente ou  captura-los.

Especialistas em filosofia, conservação e comportamento animal querem apoio para uma Declaração de Direitos de Cetáceos . Ele foi elaborado por um Grupo de Helsinque, após uma conferência em 2010 para os Direitos dos Cetáceos.

O projeto de lei estabelece que cada membro individual da ordem dos cetáceos (baleias, golfinhos e botos), tem o direito à vida e que ninguém tem o direito de possuí-los ou impor uma vida que compromete a sua liberdade, direitos ou normas. É um impulso para esses animais a serem protegidos sob a lei internacional. Os direitos juridicamente vinculativos que de uma só vez, faria com que os baleeiros, parques marinhos, aquários e outros locais de entretenimento, seriam impedidos de manter cetáceos em cativeiro.

"Onde há uma mente, existem sentimentos como dor, prazer e alegria. Nenhum ser senciente quer sentir dor, todos querem a felicidade"- Dalai Lama.

E vale a reflexão: Animais presos nos ensinam que na verdade eles devem ser livres!

Respondendo a chamada global para esvaziar os tanques, ativistas se reuniram a frente do Mundo Marino exigindo a libertação dos animais. 

1470096_582892051813944_3101454642434702176_n

16 de jun de 2015
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário